APRESENTA
APRESENTA

AgroX, programa de conexão com startups da SLC Agrícola, está com inscrições abertas

Luiza Lages - 18 maio 2022Máquina em lavoura
Startups de todo o Brasil podem se inscrever até 17 de junho em programa que busca soluções inovadoras para desafios da empresa.
Luiza Lages - 18 maio 2022
COMPARTILHE

O AgroX, programa de conexão com startups promovido pelo Horizonte SLC, movimento de inovação da SLC Agrícola, e que busca soluções inovadoras para desafios internos da empresa, está com inscrições abertas para o batch 2. Em 2022, startups de todo o país podem participar de três desafios para construção de projetos-piloto sobre contagem e pesagem de gado, monitoramento de sequestro de carbono de áreas verdes e segurança do trabalho para operadores de máquinas agrícolas.

“Temos procurado, em todas as edições do AgroX, fazer um balanço para atender diferentes áreas da companhia e para que os desafios estejam conectados com a nossa estratégia”, conta Frederico Logemann, head de inovação da empresa produtora de commodities agrícolas.

O programa está estruturado para identificar novas oportunidades de negócios e promover o crescimento da SLC Agrícola. Assim, as startups poderão ser contratadas como fornecedoras ou parceiras da empresa ao final do AgroX, e são potenciais candidatas a receber investimentos da SLC Ventures. Podem participar startups que tenham aderência aos desafios e que possuam um Mínimo Produto Viável (MVP)  testado em pequena escala, que já tenham receita e estejam no mercado ou que tenham uma solução em andamento para codesenvolver junto à SLC Agrícola.

 

Crescimento potencial

O AgroX é uma parceria entre a SLC Agrícola e a Innoscience Consultoria. Maximiliano Carlomagno, sócio-fundador da Innoscience, lembra que o programa já tem um longo histórico de contratação e parcerias com startups, construído desde a primeira edição, em 2019.

“A SLC Agrícola já domina o método de se relacionar com startups. A alta gestão da empresa absorveu isso, participa ativamente das principais decisões e está organizada para fazer negócio, junto de uma equipe de inovação dedicada ao programa. É uma oportunidade muito boa para startups, porque os negócios se concretizam e têm espaço para crescer”, diz.

É o caso da Cropman, startup de tecnologia em diagnósticos de solo que foi convidada para participar do AgroX, em 2021. “Eles nos procuraram, porque tinham uma dor: encontrar o teor de argila no estado do Mato Grosso, para que eles pudessem ter maior assertividade na aquisição de novas terras”, lembra Guilherme Sanches, fundador da Cropman.

Ele explica que o maior teor de argila está relacionado a um aumento no potencial produtivo em uma região. Hoje, para gerar um direcionamento mais assertivo, é possível construir um banco de dados, calibrar modelos e estimar essa característica do solo sem precisar visitar a área. Como resultado do AgroX, a Cropman desenvolveu essa ferramenta para todo o Mato Grosso, e agora, está trabalhando junto à SLC Agrícola na segunda etapa, para calibrar o modelo com mais variáveis e o expandir para outros estados.

“A participação nesse tipo de programa é fundamental para gerar crescimento. É uma parceria que ajuda a empresa a procurar de fato inovação e, ao mesmo tempo, gera um apoio muito necessário para o nosso trabalho. A SLC Agrícola deu todo o apoio, em cada etapa e entrega, e estamos tendo muito sucesso com o desenvolvimento do projeto”, diz Guilherme.

Máquina em lavoura

AgroX impulsiona inovação tecnológica e transforma o mercado agro.

 

Rollout de soluções e codesenvolvimento

Nos últimos anos, para as empresas participantes do AgroX, a taxa de conversão de PoC (provas de conceito) para rollout (o uso ampliado da solução) é de 65%.

“Isso significa que se a gente chega até a fase de PoC, há uma grande chance de a SLC Agrícola virar cliente da startup e ampliar o uso daquela solução. É um bom indicador de efetividade do programa, porque não é nosso objetivo ficar somente na PoC: agrega-se valor quando fazemos a escalada da solução”, diz Frederico.

Para Anibal Wanderley, fundador da Cerensa, a alta conversão em rollout é uma das grandes vantagens do AgroX.

“Já passamos por vários programas de inovação, e é muito comum uma PoC não ir para frente, mesmo com muito investimento nosso. A SLC Agrícola desenha desafios que têm muito a ver com o negócio deles. Nunca é um problema fácil, mas eles já abrem um desafio como parte de um plano de rollout lá na frente, e se a startup performa bem no programa, voa na fase seguinte”, conta Anibal.

A Cerensa é uma plataforma de gestão e análise de sustentabilidade para empresas, com processamento de grandes volumes de informações. Em 2020, a startup foi selecionada para o AgroX, para desenvolver uma solução de digitalização da metodologia de cálculo das emissões de gases de efeito estufa. “É algo muito difícil de se trabalhar, porque existe pouco dado ou pouca estatística sobre emissão agrícola. Foi um grande desafio trazer isso para dentro da plataforma e rodar de forma integrada”, diz Anibal.

Ele lembra que o projeto exigiu muito estudo para entender a assertividade da modelagem e se ela teria aplicabilidade para questões de produtividade agrícola – chegando a uma modelagem muito sofisticada. “Toda a experiência foi muito interessante, e seguimos para um rollout. Foi muito trabalhoso, mas sabíamos que toda essa complexidade abria uma nova perspectiva para a gente. O desafio era muito útil para olhar sustentabilidade”, conta.

Além do rollout, ampliando a entrega piloto, a parceria da Cerensa com a SLC Agrícola levou a um projeto de codesenvolvimento.

É um sinal de maturidade: antes do AgroX, a SLC Agrícola já tinha uma boa interação com startups e agora a gente faz isso de uma forma bem mais organizada, rápida e efetiva, e acabamos embarcando em contratos de codesenvolvimento”, conta Frederico.

 

Desafios do AgroX em 2022

máquina em lavoura

Em todas as edições do AgroX, a SLC Agrícola faz um balanço para que os desafios do programa atendam as diferentes áreas da companhia.

Depois da fase de inscrições, o cronograma do AgroX prevê a apresentação das startups selecionadas para sponsors e comitê da SLC Agrícola. As startups aprovadas entram então em uma fase de imersão em cada um dos desafios para desenho da proposta piloto, seguida por um período de teste da solução e, então, da avaliação de resultados.

Conheça os três desafios do batch 2 do AgroX:

1. Gestão de risco humano em tempo real em operadores de máquina

“No batch 2, a gente tem um desafio que é ligado a segurança do trabalho, que é uma das nossas obsessões aqui: chegar a um número cada vez menor de acidentes”, conta Frederico.

A operação de máquinas agrícolas na empresa é intensa, com turnos diurnos e noturnos. Assim, a duração dessas atividades pode expor operadores a condições de fadiga e cansaço, além de deixá-los suscetíveis a distrações.

Com esse desafio, busca-se soluções (wearables, câmeras, sensores e outros) capazes de monitorar sinais de fadiga e cansaço nos operadores de máquina, além de identificar sinais de distração e falta de atenção, enviando algum tipo de estímulo para o operador, com o objetivo de mitigar os riscos de incidentes.

“A gente sabe que é algo que já está sendo utilizado em outros setores, e queremos achar uma solução que tenha um bom custo-benefício para o nosso caso”, explica o gerente da SLC Agrícola. A solução deve ainda ser capaz de gerar relatórios que auxiliem na gestão de risco humano nas operações, além de não fazer nenhum tipo de alteração no software mãe das máquinas.

2. Monitoramento do desenvolvimento e sequestro de carbono de áreas verdes

Para fazer o enriquecimento de áreas verdes, a SLC Agrícola realiza o plantio de mudas nativas em diversos pontos das fazendas. 

“Medir não só as emissões, mas também as reduções de emissões são grandes temas para o nosso setor. A gente quer buscar uma metodologia que nos permita fazer essa medição de quanto estamos efetivamente sequestrando de carbono com o plantio de árvores”, diz Frederico.

Ele explica que, além de calcular o sequestro de carbono dessas áreas, é necessário gerenciá-las e garantir a sua manutenção, para que elas possam contribuir com as metas de descarbonização da SLC Agrícola. Por isso, o segundo desafio procura ferramentas que combinam hardware e software capazes de coletar informações das áreas nas quais é realizado o plantio de mudas nativas, com indicação de ações necessárias para manter a região saudável e gerar dados para calcular o sequestro de carbono.

3. Contagem e pesagem de gado

“O terceiro desafio está ligado a uma atividade em que entramos recentemente: a pecuária. Nós temos uma integração lavoura-pecuária – fazemos lavoura junto com a criação de gado, como se fosse uma terceira safra para nós: soja, milho e depois gado”, diz Frederico.

Hoje, a SLC Agrícola possui cabeças de gado em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, onde são realizadas, de forma periódica e manual, a contagem e a pesagem desses animais. Esse manejo, além de ser desafiador para os operadores, pode causar prejuízos à saúde do animal.

“Queremos uma solução que nos ajude nesses processos. Existem algumas ferramentas no mercado e a gente vai usar o programa para fazer uma boa varredura e escolher a melhor solução”, explica Frederico.

Assim, nesse terceiro desafio, busca-se soluções capazes de realizar a contagem e a pesagem do gado de maneira dinâmica, assertiva e com recorrência, auxiliando no controle da produtividade. É essencial que as ações de contagem e pesagem sejam feitas sem interferir na rotina dos animais.

 

As inscrições para o AgroX estão abertas para startups de todo o Brasil até 17 de junho. Inscreva-se agora!

665 Total Views 1 Views Today
APRESENTA
COMPARTILHE
APRESENTA

Confira Também: