Como a Special Dog elege compromissos e metas ambiciosas para construir um futuro mais sustentável?

Tiago Jokura - 13 abr 2022
Compromissos e metas ambiciosas na gestão hídrica e de resíduos sólidos são fundamentais para a estratégia de sustentabilidade da Special Dog. (Foto: Nathan Dumlao/Unsplash)
Tiago Jokura - 13 abr 2022
COMPARTILHE

O ano de 2022 está sendo um marco na jornada de mais de 20 anos da Special Dog Company. Por meio do programa Mais Sustentável, lançado em fevereiro deste ano, a agenda ESG deixa de ser atribuição exclusiva do departamento de desenvolvimento sustentável e passa a acontecer de forma transversal na organização, com cada área do negócio se comprometendo a estabelecer e a cumprir metas de sustentabilidade.

A iniciativa materializa a vocação da Special Dog de exercer um capitalismo consciente e tem como missão auxiliar a empresa no desenvolvimento de boas práticas relacionadas aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU), uma iniciativa de engajamento sustentável de responsabilidade de governos, empresas e pessoas.

O “MAIS”, que dá nome ao programa, é um acrônimo para Meio Ambiente, Animais, Indivíduos e Sociedade, os quatro pilares que sustentam a atuação da Special Dog na estratégia de avançar no cumprimento dos ODS.

João Paulo Figueira, gerente de desenvolvimento sustentável da empresa, comenta sobre a iniciativa: 

“O fato de nos mantermos reflexivos e autocríticos, na busca constante pela excelência nas relações com nossa cadeia de valor, produziu uma jornada consistente de desenvolvimento mútuo através do compartilhamento de valores. O Mais Sustentável vem para garantir que esta jornada seja perene e cada vez mais ambiciosa na busca pelas necessárias transformações.”

No primeiro pilar, o M de meio ambiente, a aspiração da companhia é desenvolver, continuamente, soluções inovadoras que minimizem os impactos ambientais das atividades, consumindo recursos de forma consciente e reduzindo a geração de resíduos e as emissões de gases de efeito estufa.

Um importante sinal do comprometimento com essa agenda é a recente adesão da Special Dog ao Movimento +Água, da Rede Brasil do Pacto Global e parceiros. A iniciativa trabalhará com o setor empresarial brasileiro para que estabeleçam metas ambiciosas em suas estratégias de negócio.

​Como signatária, a Special Dog assume o compromisso de, até 2030, reduzir em 50% a captação de águas superficiais e subterrâneas e de promover e apoiar o reflorestamento de 50% das áreas críticas que auxiliam na produção natural de água.​ 

No documento que oficializa a adesão ao Movimento +Água, a Special Dog se compromete a:

“Reconhecer a urgência e relevância de ações concretas em busca da resiliência hídrica em nossas operações e serviços; bem como em promover o engajamento pela universalização do acesso à água e saneamento e pela proteção das bacias hidrográficas onde estamos inseridos.”

Além da gestão hídrica, a Special Dog também concentra esforços na gestão de resíduos sólidos, com resultados animadores e metas desafiadoras a serem cumpridas:

Gestão hídrica

Meta: Aumentar em 60% o uso de fontes alternativas de água e reduzir em 15% o consumo absoluto de água primária 
Prazo: 2025 / Ano base: 2021

Atualmente, 35% da água utilizada na fábrica da Special Dog, em Santa Cruz do Rio Pardo (SP) provém de fontes alternativas. Isso é resultado de duas frentes principais de atuação na gestão de recursos hídricos:

1. Projeto Guarda Chuva

Voltado ao aproveitamento de água pluvial, o projeto utiliza os telhados das instalações da fábrica na captação de água para reúso. 

A iniciativa nasceu de um estudo detalhado sobre índices pluviométricos e o potencial de captação de água de chuva dos telhados da fábrica. 

A partir dos dados, a empresa instalou mais de 3,5 km de tubulação, além de reservatórios para a água de chuva captada em pontos estratégicos. A estrutura garante melhor distribuição do recurso aos pontos de maior potencial de consumo.

Tanques para armazenamento de água captada pelo Projeto Guarda Chuva, na sede de Santa Cruz do Rio Pardo. (Foto: Divulgação)

Por meio do Projeto Guarda Chuva, cerca de 900 mil litros de água potável deixam de ser captados de mananciais subterrâneos a cada mês e são direcionados para lavagem de caminhões e de pátios externos, irrigação dos jardins e uso em bacias sanitárias.

2. Reúso

Por meio de melhorias nos processos industriais, 67% do vapor produzido é condensado após o uso pela fábrica e retorna para as caldeiras. Em 2021, a média mensal de reaproveitamento foi de 6,2 milhões de litros de água.

Evolução do retorno de vapor condensado ao longo dos últimos anos na Special Dog.

O resultado é fruto da otimização dos circuitos fechados para ampliar o reaproveitamento de água, especialmente daquela proveniente dos secadores e das serpentinas de aquecimento dos tanques de óleo. 

Além de racionalizar o consumo de água primária, a medida gerou redução no consumo de lenha, com ganhos econômicos e ambientais relevantes.

Luis Felipe Leone Moreira, supervisor de meio ambiente, detalha:

“Nossas práticas estão focadas no impacto. A substituição de água primária por fontes alternativas e a melhoria do consumo relativo na indústria deixam de ser metas-fim e passam a ser o meio para reduzirmos o consumo absoluto de água primária e, de fato, mitigarmos o impacto sobre nossa bacia hidrográfica. 

Gestão de resíduos sólidos

Meta: Reciclar e/ou reutilizar 100% dos resíduos sólidos industriais, eliminando totalmente o envio para aterros. 
Prazo: 2023

Com um índice de reciclabilidade acima de 99%, a Special Dog caminha para se tornar, até o fim de 2023, uma empresa “Aterro Zero”, quando todo o resíduo gerado será reutilizado ou reciclado. 

Números mostram que a Special Dog caminha, ano a ano, para ter 100% de seus resíduos sólidos reutilizados ou reciclados.

De 2015 para cá, mesmo com o crescimento de 62% no volume de produção, a empresa reduziu em 68,9% a geração de resíduos industriais por meio de processos de inovação e de conscientização. 

Com a implantação de um sistema de compostagem, a totalidade dos resíduos orgânicos gerados no refeitório passou a ser convertida em adubo. São cerca de 30 toneladas anuais, utilizadas nos jardins e em hortas orgânicas instalados no terreno da fábrica. 

A horta orgânica, instalada na sede da Special Dog, é adubada com composto preparado com resíduos coletados na própria fábrica e abastece o refeitório diariamente. (Foto: Divulgação)

A horta, inclusive, produz hortaliças que compõem as 600 refeições diárias servidas gratuitamente aos colaboradores. 

A Special Dog também promove na cidade-sede, Santa Cruz do Rio Pardo, as seguintes iniciativas:

Programa Ecolojista, voltado à logística reversa e reciclagem de embalagens plásticas pós-consumo dos produtos da empresa; 

Projeto Arte Circular, que transforma uniformes usados na fábrica em artigos do universo pet;

Campanha “Não Pilhe. Recicle”, de reciclagem de pilhas e baterias.

A meta da Special Dog é se tornar, até o fim de 2023, uma empresa “Aterro Zero”.

Figueira acredita que este conjunto de iniciativas ambientalmente responsáveis pode avançar ainda mais e aponta novos caminhos:

“Apesar de nos orgulharmos da trajetória até aqui, sabemos que há uma longa jornada pela frente. Este constante processo de evolução nos encoraja a buscar novos desafios que continuem nos direcionando ao pleno equilíbrio em nossa relação com a sociedade e o planeta”. 

Nas próximas semanas, seguiremos contando as histórias que compõem os outros pilares do programa Mais Sustentável: Animais, Indivíduos e Sociedade.

COMPARTILHE

Confira Também: