Escuta atenta, relatos em vídeo, choques de autoestima: como a SP Invisível luta para dar visibilidade às pessoas em situação de rua

Dani Rosolen - 15 dez 2023
André Soler, fundador da ONG SP Invisível.
Dani Rosolen - 15 dez 2023
COMPARTILHE

Existe mesmo invisibilidade social? Ou é a gente que escolhe não olhar para as pessoas em situação de vulnerabilidade que atravessam o nosso caminho?

Foi para fazer as pessoas enxergarem, de verdade, o que veem – mas ignoram — que nasceu a SP Invisível. Desde 2014, a ONG ouve e dá destaque às histórias da população em situação de rua da capital paulista, publicando pequenos depoimentos em suas redes.

“Uma das grandes descobertas desde que a gente começou é a importância da atenção, de a gente escutar essas pessoas, dizer para elas que são importantes — e percebê-las como importantes”

Quem diz isso é André Soler, presidente da ONG, que fundou a organização após ele próprio passar a observar o que era invisível na cidade durante uma dinâmica na igreja que frequenta.

Além de trazer à luz a realidade dessas pessoas, a iniciativa tem outros três pilares: ações de combate à fome, ao frio e de capacitação e empregabilidade.

Até 2022, a ONG tinha compartilhado quase 2 mil histórias e atendido mais de 33 mil pessoas em 102 ações.

ELE SEMPRE ESTEVE ENVOLVIDO COM TRABALHOS BENEFICENTES

Formado em cinema, André conta que nasceu em uma família cristã. Desde pequeno frequenta a igreja batista e as atividades propostas pela congregação.

“Lá, sempre aprendi a importância de ajudar o próximo e participava de trabalhos voluntários, seja na igreja, em presídios, na Missão Sena ou em outras ações”

Ainda enquanto cursava a faculdade, André foi convidado a trabalhar como funcionário da igreja, cuidando da parte de produção de conteúdo.

Até que um dia, lembra, o pastor propôs que um grupo de adolescentes da igreja saísse às ruas no período de Natal e fotografasse tudo o que era invisível na cidade.

“Esse projeto já tinha o nome de SP Invisível lá dentro. E nesse registros dos jovens, além de fotos de idosos, prédios, lixo no chão, chegaram muitas imagens de pessoas em situação de rua”

A ideia era fazer um concurso interno com as fotos, mas o plano não foi para frente. No entanto, em 2014, André e Vinícius Lima, outro funcionário da igreja, decidiram ir mais a fundo, com um projeto independente — que manteve o nome do original.

“A gente saía para fotografar pessoas em situação de rua, ouvia suas histórias e depois postava um pedaço do relato nas redes junto com a foto.”

DEPOIS, A SP INVISÍVEL PASSOU TAMBÉM A REALIZAR AÇÕES COM ENTREGAS DE REFEIÇÕES E MOLETONS

André conta que ele e Vinicius, que hoje não está mais no projeto, nunca enfrentaram barreiras para abordar a população em situação de rua.

“Nunca tivemos problemas, acho que isso é mais um preconceito social que existe de que as pessoas não são receptivas. Pelo contrário, elas sempre foram muito solícitas.”

O presidente da ONG conta que os dois faziam a ação dos registros porque queriam colocar seus talentos – o de André de fotografar e o do Vinicius, de escrever — à disposição de uma causa, conscientizando sobre a invisibilidade desse grupo.

“Mas a gente era muito cobrado, no sentido de perguntarem se ‘só’ fazíamos isso. Entendemos que o que fazíamos não era pouco, tinha muito impacto”

Algumas pessoas de fora, que acompanhavam a iniciativa, queriam que a dupla começasse a fazer doações. Para atender a essa demanda, o projeto, que veio a se transformar numa ONG, passou a realizar campanhas pontuais, como o Natal Invisível e o Inverno Invisível.

Além disso, três vezes por semana (nas terças, quartas e quintas-feiras) a SP Invisível sai às rua para distribuir refeições em pontos para além do centro expandido ou onde há menos visitas de ações assistenciais.

Tudo isso é possível com a ajuda dos voluntários. Hoje são 2 mil pessoas envolvidas; cerca de 60 participam semanalmente das entregas. Os interessados só precisam se registrar no site da ONG, onde recebem instruções do endereço da entrega, hora e data para comparecer.

Neste ano, o grupo irá atingir a marca de cerca de 50 mil refeições distribuídas e 100 mil itens de higiene doados, fora os agasalhos da própria ONG entregues no inverno.

É ÓBVIO, MAS O ÓBVIO PRECISA SER DITO: NINGUÉM ESCOLHE VIVER NAS RUAS

Para captar relatos das pessoas em situação de rua, a equipe da SP Invisível, hoje composta por nove pessoas contratadas (além do fundador), sai em dias diferentes dos da entrega de refeições e de outros kits. E geralmente de dia, para capturar os vídeos e fotos com mais luminosidade.

Os depoimentos colhidos e postados nas redes sociais da SP Invisível trazem diversas histórias que explicam como as pessoas foram parar nas ruas. As razões variam: desde dependência química e desemprego até desentendimentos familiares.

Distribuição de kits na ação Natal Invisível.

Há depoimentos de gente que sonha em rever a família; outras contam sobre a dificuldade de conseguir comida e a dureza da fome, desabafam sobre o preconceito e compartilham as agruras de quem vive sem um teto pra chamar de seu.

Nos comentários dos posts, muitas pessoas se mostram emocionadas e enaltecem a iniciativa da ONG, mas há também posicionamentos (não só nas redes) de quem afirma que essas pessoas têm opções e preferem viver nesta condição.

“As pessoas aceitam a rua por falta de oportunidade. Eu costumo fazer a seguinte analogia: se você oferece a qualquer pessoa mudar para uma casa nova, ela vai querer saber quais as condições desta casa, se ela é melhor do que a que você vive hoje, por exemplo, antes de aceitar”, diz André. “Então, oportunidade é isso: é a gente dizer para a população de rua que existe um caminho melhor, um jeito de sair daquela condição.”

UM TERCEIRO PILAR DA ONG É A CAPACITAÇÃO PARA O MERCADO DE TRABALHO

Neste sentido, de oferecer melhores condições e alternativas para as pessoas saírem das ruas, a SP Invisível iniciou no começo de 2023 a Jornada da Emancipação, programa desenvolvido com a FGV.

Para esta ação, explica André, são selecionadas pessoas em situação de rua que têm um perfil específico: estão em centros de acolhida, já têm algum tipo de vínculo com o local e possuem documentação:

“Após a seleção, elas passam por um curso de capacitação socioemocional com ênfase em gastronomia. Na parte socioemocional elas têm acompanhamento de uma psicóloga e de uma assistente social e todos os dias assistem a aulas de gastronomia”

A escolha da gastronomia não é por acaso: a área apresenta boa oportunidade de mercado e a chance de trazer um reconhecimento mais imediato ao aluno. “Eles cozinham e logo conseguem visualizar aquilo que fizeram”, diz André. “E isso traz um senso de merecimento rápido pra essa população, o que é positivo para a continuidade no desenvolvimento.” Após a formação, a SP Invisível ainda ajuda os participantes a se inserirem neste mercado.

Desde o início do programa foram realizadas três turmas, sendo que 45 pessoas passaram pelos cursos e nove foram empregadas, como Wériqy, que agora integra a equipe do restaurante nou, no Baixo Pinheiros, zona oeste de São Paulo. A meta para 2024 é chegar a 100 participantes — e mais gente contratada.

LEVAR A POPULAÇÃO DE RUA A ESPAÇOS ONDE ELA COSTUMA SER BARRADAS É OUTRA FORMA DE LANÇAR LUZ SOBRE O TEMA

Em março de 2023, quando realizaram shows em São Paulo, os músicos britânicos do Coldplay, por intermédio da SP Invisível, convidaram quatro pessoas em situação de rua para assistir à apresentação.

André com um grupo de mulheres de um abrigo convidadas a ir ao cinema assistir ao filme Barbie.

A iniciativa faz parte de ações pontuais de conscientização social e de reinserção dessa população na sociedade através da cultura. “O primeiro objetivo é ter um ativismo social de dizer assim: olha, essas pessoas podem estar nestes lugares, a gente não pode criar barreiras para isso… desde permitir que elas frequentem um shopping até assistir a um show.”

O segundo objetivo, afirma o presidente da ONG, é oferecer acesso à cultura, impactando outras áreas da vida.

“Quando a gente coloca a população de rua em contato com a cultura e essa pessoa é um usuária de droga, isso diminui o tempo de uso dela, por exemplo”

Outras ações nesta frente foram levar um grupo de mulheres trans do albergue Florescer para assistir ao filme Barbie e realizar uma visita ao zoológico com parte dos alunos da Jornada da Emancipação.

“Esse momentos são um choque de autoestima para essas pessoas, pois a gente eleva muito o senso de pertencimento delas.”

COMO PARA OUTRAS INICIATIVAS DO TERCEIRO SETOR, O FINANCIAMENTO É SEMPRE UMA DESAFIO

Apesar de ser uma bem conhecida, André diz que, assim como a maioria das ONGs, a SP Invisível enfrenta desafios na captação de doações.

“Saiu uma pesquisa do IDIS dizendo que 10% dos que doam no Brasil destinam recursos para pessoas em situação de rua. A causa recebe pouca doação, ainda é muito marginalizada. Então, esse ainda é um desafio.”

Hoje, a maioria das doações da SP Invisível vem de pessoas físicas, mas a ONG também conta com o apoio de empresas e grupos parceiros, como o próprio Coldplay, a Food to Save, a Gafisa e a Colgate-Palmolive. Sobre a cultura de doação no Brasil, André comenta:

“Eu tenho pra mim como princípio que uma pessoa de sucesso é aquela que doa proporcionalmente ao quanto ela ganha. Quem só ganha e não doa é um parasita”

É justamente a partir das doações que a ONG consegue fazer ações como a do Natal Invisível, que começou em novembro, com a distribuição de refeições, água, sobremesa e kits de higiene. A meta para 2023 é atender 5 mil pessoas.

Além disso, como parte das comemorações natalinas, a SP Invisível realiza ceias para a população de rua. (Para custear uma ceia, a ONG pede 160 reais. É possível doar aqui).

Em 2023 serão sete edições, sempre às terças e quintas-feiras até dia 23 de dezembro. A primeira ocorreu no dia 5, na área do Teatro de Contêiner, região da Cracolândia. O espaço foi decorado, mesas foram montadas e os convidados puderam desfrutar de um jantar especial.

“Estes encontros serão um momento de alegria e de dignidade, levando pra eles um pouco do espírito natalino”

Em 2024, afirma o presidente da ONG, a meta será distribuir mais refeições, aumentar o número de pessoas atendidas na Jornada da Emancipação, desenvolver novos programas de impacto social e lançar um relatório sobre a população em situação de rua.

Para quem tem o desejo de ajudar já, mas não sabe como, e quer aproveitar este finalzinho de 2023 para começar a fazer a diferença — independente da causa –, André dá um conselho:

“Eu acredito que cada um pode fazer um pouco onde está. Então, olhe o seu redor, veja quem está precisando de você, principalmente se você é alguém privilegiado. Doe seu dinheiro, seu tempo, sua energia. Só não termine o ano sem doar nada a ninguém.”

 

233 Total Views 3 Views Today
COMPARTILHE

Confira Também: