Na luta pela segurança alimentar, ela ajuda a levar comida e esperança a uma comunidade indígena de Manaus

Renata Peixe-boi - 24 jun 2022
Renata Peixe-Boi, criadora do projeto Cozinha Boca da Mata (Foto:Rodrigo Duarte).
Renata Peixe-boi - 24 jun 2022
COMPARTILHE

Maio de 2021. As campanhas de doações que a população do Amazonas, em especial de Manaus, recebeu no início do ano devido a segunda onda de Covid-19, agravada pelo desabastecimento de oxigênio nas unidades de saúde do estado, começaram a desaparecer.

O colapso vivido nos hospitais chamou a atenção do Brasil naquele janeiro. Famosos e anônimos se mobilizaram com o que tinham para enviar cilindros a quem precisava. A situação do Amazonas chegou até a CPI da Covid no Senado.

Enquanto a saúde se restabelecia de sua crise aguda, os outros muitos problemas sociais que já existiam foram intensificados… e a situação de insegurança alimentar vivida pela população brasileira se tornou ainda mais grave

Nesse momento, chegava a Manaus a Gastromotiva [a organização já foi pauta aqui no Draft]. A iniciativa trabalha com gastronomia social e criou, no início da pandemia, o Programa Cozinhas Solidárias para formar cozinheiros interessados em ajudar com a situação da fome.

A proposta era distribuir 50 mil refeições em um prazo curto de dois meses. Eu, que já era cozinheira, me animei em participar. 

COMECEI A ME ENVOLVER COM O AMBIENTALISMO NO GREENPEACE E FUI IMERGINDO EM OUTRAS FORMAÇÕES

Minha história com o alimento começou com minha mãe, cozinheira de mão cheia e grande conhecedora da nossa cultura alimentar.

Renata se envolveu cedo com questões ambientais e relacionadas à cultura alimentar.

Ela sempre me estimulou a conhecer os sabores da região, oferecendo frutas e preparados típicos.

No final do ensino médio, em 2002, fui convidada a ser voluntária em uma das atividades do Greenpeace, onde atuei por dez anos.

Entre as muitas pautas trazidas pela ONG, uma das maiores referências ambientais no mundo, estão os impactos do desmatamento e dos alimentos transgênicos.

Ali entendi o quanto a cadeia do alimento é grande e complexa. 

Apesar de ter me formado pela primeira vez em Marketing, não tardei a voltar para a área ambiental, estudando Engenharia Florestal

Uma amiga, a pesquisadora Thelma Pontes, me apresentou a agroecologia e as PANC (Plantas Alimentícias Não Convencionais).

Sua paixão me instigou a olhar para isso também. Pela sua indicação, participei de um projeto em 2011 para o fortalecimento da agricultura orgânica, em que cultivamos uma horta orgânica em uma unidade experimental para distribuição de mudas e sementes das PANC.

O aproveitamento dos frutos se tornou uma prática e eu, que já gostava de cozinhar, comecei a preparar cada vez mais receitas com as não convencionais

Em 2016, iniciei mais uma formação, dessa vez em Tecnologia em Agroecologia, no Instituto Federal do Amazonas. Na época, cozinhava para os colegas de curso e vendia lanches para manter meus estudos.

Em pouco tempo, integrei, com outras colegas, uma cozinha que se propunha a difundir o conhecimento sobre as PANC; junto com elas, participava de feiras, eventos acadêmicos, culturais e artísticos.

PASSEI A PRODUZIR COM OUTROS VOLUNTÁRIOS 500 REFEIÇÕES POR SEMANA NA COZINHA DE MINHA CASA

Minhas atividades, no entanto, pararam na pandemia por conta das medidas sanitárias adotadas nesse período. Assim, o convite feito pela Gastromotiva me pareceu uma ótima chance de voltar a cozinhar e, por isso, topei o desafio.

Diante da necessidade e da oportunidade, a cozinha de casa passou a receber voluntários e a preparar mais de 500 refeições por semana, que eram distribuídas em uma única noite.

A produção era feita em casa, levada, servida e distribuída na comunidade do Parque das Tribos. Foi uma grande alegria voltar a cozinhar

Iniciado em 2014, o Parque das Tribos se configura como uma grande aldeia multiétnica: são mais de 30 povos e 14 línguas faladas, entre mais de 2 mil pessoas – indígenas e não-indígenas que ocupam uma área localizada no bairro Tarumã-Açu, em Manaus.

Essa população sofreu muitos processos, perseguições e reintegrações de posse, e também conheceu de perto a violência da cidade.

São pessoas que saem das suas comunidades e estão em busca do direito à moradia, normalmente para acessar outro direito que não lhes é oferecido nos seus locais de origem: saúde, educação ou uma renda melhor.

EM AGOSTO, O PROJETO DA GASTROMOTIVA FOI ESTENDIDO POR MAIS NOVE MESES

Junto com cerca de outras dez cozinhas solidárias apoiadas pela Gastromotiva, conseguimos cumprir a meta e distribuímos 50 mil refeições, do Parque das Tribos ao Careiro da Várzea, atendendo pessoas de 14 bairros.

Nós compreendemos o quanto esse tipo de iniciativa ainda é pequena frente ao tamanho do problema da insegurança alimentar, mas sabemos que traz um pouco de esperança e acolhimento paras as pessoas que necessitam

Em agosto de 2021, veio a boa notícia: a Gastromotiva iria reiniciar as atividades em Manaus, dessa vez por um período maior de nove meses.

Nesta nova fase, tivemos também formação em empreendedorismo social para as lideranças das cozinhas, o que nos permitiu ter uma visão de negócio importante e que ajudou a ampliar os meus horizontes.

Retornamos ao serviço e continuamos a servir na comunidade. 

FUI MORAR NA COMUNIDADE DO PARQUE DAS TRIBOS E ALI ENTENDI A IMPORTÂNCIA DOS ALIMENTOS PARA NÓS ENQUANTO INDÍGENAS

Em dezembro, quando a Cozinha Solidária estava encaminhada, produzindo e entregando 400 refeições por semana, soube com surpresa que teria que entregar, em apenas seis dias, a casa onde morava com duas colegas.

Eu já tinha no coração o desejo forte de ir para o Parque das Tribos, então aproveitei que o momento exigia mudança e me lancei ao novo desafio

Aluguei uma pequena casa com apenas dois cômodos — um banheiro e cozinha — e dormia numa rede armada somente na hora de dormir.

Fiquei lá por um mês e, logo em seguida, encontramos um espaço maior, que me permitiu ter um quarto para dormir.

Morar na comunidade me permitiu novas trocas e aprofundar a dimensão da importância do alimento para nós enquanto indígenas

Na nossa cozinha, atuamos em cinco etnias: a minha (Mura), Tikuna, Tariano, Tukano, Witoto, além de não-indígenas. Juntas, com o apoio da Gastromotiva e de outros parceiros, temos distribuído as refeições, sempre durante o período da janta.

COM O COZINHA BOCA DA MATA, BUSCO IMPULSIONAR A LUTA PELO DIREITO À ALIMENTAÇÃO DE QUALIDADE E FORTALECER NOSSAS RAÍZES

Essa nova fase me possibilitou também estar mais perto das mulheres moradoras do Parque, entender suas dificuldades e também o que lhes traz felicidade.

Desta forma, nasceu, em meados de outubro, a Cozinha Boca da Mata, um espaço de luta pelo direito à alimentação de qualidade e de fortalecimento das nossas raízes ancestrais por meio da gastronomia.

Recentemente, participamos, junto ao restaurante Caxiri, de uma recepção de aniversário da loja de um cliente. No cardápio, foram incluídos a “mujeca Tikuna” e o “beiju do Rio Negro”, receitas tradicionais da nossa culinária que não costumam ocupar esse tipo de espaço

Ao mesmo tempo, seguimos buscando o direito primário do acesso à comida. Dados do Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, da Rede PENSSAN (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional), revelam que hoje 33,1 milhões de pessoas passam fome no país. São 14 milhões a mais em comparação ao último ano, quando começávamos as atividades da nossa Cozinha Solidária.

Atualmente, estamos buscando formas de geração de renda para as mulheres mães da comunidade, devido às dificuldades relatadas por elas em conseguir um emprego e cuidar dos filhos ao mesmo tempo.

Planejamos também a construção de uma casa de farinha, e muito mais ainda está por vir.

A partir dos diálogos, vamos desenhando novos caminhos ligados ao alimento, para continuar a cuidar dessa semente e construir uma sociedade mais saudável e menos desigual.

 

Renata Peixe-boi, 38, pertence ao povo Mura. Criadora da Cozinha Boca da Mata, é estudante de agroecologia, cozinheira social, pesquisadora da alimentação amazônica, doula e “puxa-barriga” (pessoa especializada em técnica ancestral de cuidado com a parturiente, que ajuda a posicionar da melhor forma o bebê ainda no ventre materno). Defende a segurança alimentar e nutricional e o ecofeminismo, com práticas de preparo e degustação. Integra a Rede Maniva de Agroecologia e a comunidade Slowfood, pelo legado alimentar da Amazônia. 

 

317 Total Views 1 Views Today
COMPARTILHE

Confira Também: