O Torcedores queria escalar seu negócio. A solução: desmembrar a empresa e mirar outros temas (inclusive a cannabis medicinal)

Tainã Bispo - 28 jan 2020
Sergio Sacchi, CEO do Torcedores: após um contato via LinkedIn, ele pediu demissão para mergulhar no novo negócio.
COMPARTILHE

Um portal esportivo com cerca de 22 mil colaboradores, que somados produzem cerca de 10 mil conteúdos mensais — textos, vídeos e podcasts sobre futebol, esportes radicais, tênis, rugby e até videogames — para um público de 10 milhões de usuários únicos por mês.

Os números pertencem ao site colaborativo Torcedores, criado em 2013. Mesmo com números parrudos, a plataforma passou por uma transformação no último ano, desmembrando seu negócio em dois: um braço de tecnologia e outro de conteúdo e educação.

“A pivotada que demos foi dura”, diz Sergio Sacchi, 52, CEO e sócio. Essa mudança visa a perenidade do negócio. A maior parte dos conteúdos não é remunerada, mas há colaboradores que chegam a ganhar 6 mil reais por mês — a remuneração varia conforme critérios como frequência, qualidade do conteúdo e tempo de leitura.

O projeto se inspira no Bleacher Report, fundado por Bryan Goldberg (sócio do Torcedores) e adquirido em 2012, por 275 milhões de dólares, pelo grupo Time Warner, que hoje pertence à AT&T e atende por WarnerMedia.

UM AMERICANO MÓRMON BOLOU O PROJETO E ACHOU O SÓCIO LOCAL PELO LINKEDIN

Originalmente da área de publicidade, Sérgio vinha investindo em startups desde os anos 2000. “Muitas das empresas deram errado. Mas algumas deram certo como, por exemplo, o Fanáticos Futebol Clube, cujo modelo de negócio deu origem ao Cartola FC”, diz.

Em 2012, ele trabalhava na boo-box, especializada em publicidade tecnológica. Aí, entra na história Derek Hall, um americano mórmon que aprendera português como missionário em Santa Catarina e se apaixonou pelo Brasil.

Foi Derek que bolou o projeto do Torcedores. Já tinha até registrado o domínio e iniciado conversas com contatos quentes, como o próprio Bryan Goldberg, criador do Bleacher Report.

“Os potenciais investidores diziam a ele: o Brasil não é para qualquer um. Você precisa de um sócio local para operar o negócio. Consiga alguém e a gente volta a conversar”

Vasculhando o LinkedIn, Derek encontrou Sergio. A primeira conversa dos dois foi via Skype. O papo se prolongou por uns bons meses, por vídeoconferência e também presencialmente — Sergio fez questão de trazer Derek ao Brasil e recebê-lo em sua casa.

PARA COLOCAR O NEGÓCIO DE PÉ, SÉRGIO INVESTIU SUA RESERVA PESSOAL

Em 2013, Sergio se demitiu da boo-box, passou mais uns seis meses estudando o projeto e o mercado, até resolver entrar de cabeça no negócio, botando grana do próprio bolso.

“Foi a primeira vez que eu investi all in. Coloquei minha reserva pessoal, conquistada com meu suor… E um valor que eu nunca tinha pensado em investir em negócio nenhum”

Naquela fase 1, entre 2013 e 2014, ele, Derek e os cofundadores Marcelo Fonseca e Pedro Navio aportaram um total de 1 milhão de reais. A chegada de mais alguns sócios ajudou o projeto a amadurecer mais rapidamente. “Steve McNally, por exemplo, trouxe expertise em tecnologia, lógica, metodologia, processos para escalar num patamar desses que foi fundamental.”

Para ganhar tração e credibilidade, contrataram jornalistas como Arnaldo Ribeiro e Mauro Beting para serem colunistas e fizeram contatos com faculdades de jornalismo e comunidades de torcedores para trazer audiência e gente disposta a colaborar. “Em seis meses, atingimos dois milhões de usuários.”

CURSOS ONLINE AJUDAM A FILTRAR A QUALIDADE DOS COLABORADORES

Inicialmente, o nível de qualidade dos colaboradores foi um desafio. Segundo Sergio, muitos chegavam com pouca (ou zero) experiência, mostrando carências em gramática e em técnicas básicas de apuração.

A saída foi montar cursos online para esses colaboradores, totalizando 16 horas.

“Primeiro, funciona como uma espécie de Enem: só pode colaborar depois que passar pelo curso. Em seguida, é preciso seguir uma trilha orgânica que possibilita atingir cinco níveis de colaboração dentro da plataforma: júnior, pleno, sênior, master e especialista. Como se fosse um MBA”

Além das horas obrigatórias, há mais de 600 horas de cursos disponíveis para aqueles que querem se especializar e encarar a plataforma mais “a sério”, como um emprego (Marcelo Tas e Mauro Beting são alguns dos professores). Os cursos são pagos lá na frente, quando o colaborador começa a receber remuneração.

Sergio explica que a experiência de produzir conteúdo para os Torcedores pode ser contabilizada como atividade complementar por alguns estudantes de jornalismo. “Hoje, temos parcerias com Cásper Líbero, Mackenzie e PUC”, diz.

A IDEIA É USAR INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PARA MAPEAR OS ASSUNTOS MAIS QUENTES

Hoje, o Torcedores mantém escritórios em São Paulo e Porto Alegre, um time de 46 pessoas e soma 10 milhões de reais em investimentos. Em 2020, diz Sergio, a previsão é faturar entre 8 e 10 milhões de reais.

O time de sócios-investidores inclui gente graúda como Pedro Navio, presidente da The Kraft Heinz Company; Marcelo Fonseca, diretor geral da Stone Participações; Steve McNally, ex-executivo da Forbes e do grupo de mídia Condé Nast; e Pyr Marcondes, investidor e diretor do Meio & Mensagem, entre outros.

Nos próximos dois anos, diz Sergio, devem ser investidos 5 milhões de reais no site e no aplicativo, usando inteligência artificial para tornar a plataforma mais customizável para o leitor e mais inteligente para os colaboradores, que terão mapas dos assuntos “mais quentes” como inspiração nas pautas, por exemplo.

A IDEIA É ESCALAR PARA NOVOS TEMAS (INCLUSIVE CANNABIS MEDICINAL)

Até aqui, anúncios programáticos e branded content foram as principais fontes de faturamento. Sergio, porém, diz que o futuro é outro:

“Desapegamos de publicidade. As marcas estão comprando banner, divulgando produtos, brigando por preço e perdendo margem… Hoje, o conteúdo é o ‘oxigênio’ — é o que as pessoas querem consumir”

A estratégia agora inclui a possibilidade de escalar o modelo do Torcedores para outros temas. Para viabilizar isso, em 2019 a empresa foi dividida em dois braços, cada um com seu CNPJ. O Torcedores segue tocando conteúdo e educação; a Navve fornece a plataforma tecnológica para o portal e outros dois clientes com modelo de negócio semelhante.

Um desses projetos chama-se Eu quero investir, com a corretora homônima. O segundo é o da OnixCann, empresa canadense de medicamentos a base de cannabis medicinal, que lançará sua plataforma em fevereiro. Todo o suporte e gestão dos projetos ficam por conta da Navve.

A plataforma da OnixCann, explica Sérgio, ajudará a conectar médicos e pacientes que precisam desses medicamentos. “No primeiro momento, o pedido receitado pelo médico será enviado de forma online para a Anvisa aprovar. Dando tudo certo, o medicamento será então liberado para ser produzido no Canadá e ser remetido para a casa do paciente, aqui no Brasil.”

2329 Total Views 1 Views Today

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Torcedores
  • O que faz: Plataforma colaborativa de conteúdo esportivo
  • Sócio(s): Sergio Sacchi, Derek Hall, Bryan Goldberg e outros sócios investidores.
  • Funcionários: 46
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2013
  • Investimento inicial: R$ 1 milhão
  • Faturamento: R$ 8 milhões (previsão 2020)
  • Contato: [email protected]
COMPARTILHE

Confira Também: