Small Bites: que tal vender comida saudável para crianças pela internet?

Phydia de Athayde - 1 set 2014Aos 61, Mariangela Tranchesi tirou um sonho do forno; vender comida saudável e gostosa para crianças
Aos 61, Mariangela Tranchesi decidiu tirar um sonho do forno: vender comida saudável e gostosa para crianças pela internet
Phydia de Athayde - 1 set 2014
COMPARTILHE

O potinho amarelo tem farofa e arroz. O verde, legumes. No azul, sempre um peixe. No vermelho estão as carnes. Todos são pequenos, coloridos e têm um monstrinho colorido na embalagem. O sonho de Mariangela Tranchesi, chef e fundadora de um site que vende comida saudável para crianças, é que os pequenos apontem pela cor a refeição que gostariam de comer. Inaugurado há apenas seis meses, o Small Bites é pioneiro na oferta de alimentação para crianças de 1 a 10 anos. Os pedidos são feitos online e as refeições, que custam de 17 a 19 reais, são entregues congeladas e com hora marcada.

Mariangela tem 61 anos e há 9, após o nascimento do primeiro neto, Dudu, se sentiu tomada por aquela vontade de oferecer tudo de melhor para o mais novo integrante da família. Adepta da alimentação saudável, logo percebeu o quanto era difícil para os pais de hoje em dia garantir que as crianças consumissem alimentos naturais e o mais nutritivos possível. Gradativamente, ela se viu dedicando cada vez mais tempo para cozinhar para o neto. Quando o visitava, levava sopas e caldos feitos em casa. “Quando eles vinham almoçar, tinha sempre aquela carninha, aquele bifinho, que gostavam. Esse meu neto desde pequeno sentia o cheiro do arroz e vinha ‘vovó, o que que tem?’”, conta.

Levaria quase uma década até Mariangela transformar o carinho de avó em um negócio financeiramente estruturado. Ela contou com o apoio dos filhos, Marcos e Mariana, no empreendimento. Mariana, advogada, é quem mantém o perfil da Small Bites no Instagram, enquanto Mariangela fica na cozinha e na operação. A empresa funciona em um sobrado alugado na zona sul de São Paulo. De lá saem, em média, 200 refeições por mês, distribuídas na capital paulista e arredores. O site entrou no ar em março deste ano. O cardápio, que tem cerca de 30 itens, é resultado desses anos de pesquisa informal entre os netos. “A família hoje tem nove crianças entre 2 e 9 anos. Eles foram minhas cobaias, começaram a provar, ‘gosto’, ‘não gosto’, e fui criando os pratos. Sempre com a preocupação de trazer o maior número de nutrientes”, diz Mariangela.

small bites

O cardápio da Small Bites foi moldado a partir do que os netos de Mariangela mais gostavam

Essa filosofia a levou a determinar algumas particularidades para o seu negócio. Tudo é orgânico. Os legumes são cozidos no vapor, nunca direto na água. Os grãos ficam de molhos antes de serem cozidos, e vão para a panela a alga kombu (planta japonesa rica em sais minerais, cálcio e ferro). “Em alguns pratos, como o hamburguinho e a almôndega, colocamos um pouco de purê de legumes para formar consistência”, conta Mariangela. “Fazemos tudo para deixar o prato mais nutritivo, sem que a criança perceba e sem que altere o sabor.” Após o cozimento, os pratos são resfriados rapidamente, para evitar a perda de nutrientes. E, sim, as receitas levam apenas um mínimo de sal.

O equilíbrio nutricional e a forma de manuseio dos alimentos foram aprovados por uma nutricionista contratada desde início do projeto. A profissional também orientou sobre a reforma do imóvel, para atender todas as determinações da Anvisa, algo que surpreendeu Mariangela. “Não sabíamos que existiam tantas restrições e normas, mas assumimos essa dificuldade como um desafio, como parte do negócio. A cozinha foi planejada para ser um ambiente ultra higienizado, e temos controle de tudo que entra aqui. Realmente, é um cuidado muito grande. Eu, como avó, sei que quero dar o melhor para os meus netos. E eu me sinto responsável e avó de todas essas crianças”, diz.

“Eu sou contra dar doce para criança. Por mais natural que seja. Acredito que criança tem que comer fruta. Tem que dar uma maçã fresquinha, cortadinha. O início da vida tem que ser com fruta”

Hoje a empresa tem cerca de 700 clientes cadastrados. O público está crescendo e, além das recomendações de amigos, há um envio permanente divulgação e amostras para blogueiras que falam sobre criança e alimentação saudável. Para além do ambiente virtual, há poucas semanas a Small Bites começou a testar a distribuição física, colocando os potinhos à venda no Empório Varanda (unidades Cidade Jardim e Vila Olímpia). Essa parceria tem respondido por cerca de 20% da produção.

Desenvolver mercado para comida congelada pra crianças é um trabalho lento, diz Mariangela, que comemora a boa aceitação. “Todos os pedidos se repetiram, ninguém ficou apenas na primeira compra. Vários clientes perceberam a praticidade e compram para o fim de semana. Em uma praia, uma fazenda, os adultos acabam almoçando mais tarde, então a mãe escolhe o prato da criança, põe um minuto e meio no microondas e pronto, resolveu. Não dá trabalho nenhum”, afirma. Na verdade, quase todo o trabalho fica com ela que, além de cozinhar, vai pessoalmente ao mercado uma vez por semana. “Compro tudo fresquinho. Aqui não se congela nada antes do preparo. Trago e organizo o que vai no vapor, o que vai ficar de molho. O feijão fica de um dia para o outro”, conta. Às sextas, ela faz um balanço do freezer e dos pedidos para saber o que precisará para a semana seguinte.

Os nuggets são enriquecidos com purê de legumes

A cozinha funciona desde cedo até o meio da tarde. Depois do almoço, tudo é embalado e, enquanto o local é higienizado, ela se detém com o lançamento dos pedidos, o contato com fornecedores e com o contador (terceirizado). Para Mariangela, que trabalhou a vida inteira na gerência financeira de grandes empresas, esta é uma rotina encantadora. Antes da Small Bites, ela passou 10 anos na Daslu (da ex-cunhada Eliana Tranchesi), depois foi diretora geral da distribuidora de perfumes e cosméticos Entreposto, e também exerceu a função na importadora Monaliza. “Minha vida mudou muito, sem dúvida. Hoje a satisfação é maior. Me sinto muito mais feliz”, diz.

A Small Bites teve um investimento inicial de 100 mil dólares, e previa-se o retorno deste montante em três anos de atividade. “Mas, como é um negócio super novo, vamos ter que alongar o business plan”, diz Mariangela. Como empreendedora, Mariangela enfrentou algumas dificuldades, como a demora na finalização da plataforma digital. “A estrutura física e cozinha ficaram prontas, tudo fechado esperando o site entrar no ar. Por falta de experiência na área, não tínhamos nem como pressionar. Esse gap de seis meses fez muita diferença”, conta, num suspiro. “Quando a gente é amador em um setor, a gente cai em algumas armadilhas. Alimentação foi um segmento novo pra nós, site e internet também. Procuramos sempre nos cercar das pessoas certas, pegar as melhores indicações. Mas, se você não domina o novo ramo, nem sempre tudo dará certo”.

Aprendizados e erros são inevitáveis no processo de construir e manter um projeto. Os desafios são diários e muitas vezes será preciso recorrer ao objetivo inicial, àquilo que diferencia um projeto dos demais, para tomar alguma decisão. Mariangela recebe muitos pedidos para que inclua sobremesa, doces, no cardápio da Small Bites. Até pensa em testar um sorvete à base de frutas para o verão, mas reluta. “O que acontece? Eu sou contra, sinceramente, preparar algum doce para criança. Por mais natural que seja… Acredito que criança tem que comer fruta. Tem que dar uma maçã fresquinha, cortadinha, uma pera. O início da vida tem que ser com fruta”, diz. Os monstrinhos agradecem.

draft card small bites

1805 Total Views 1 Views Today
COMPARTILHE

Confira Também: