Stayfilm: uma startup que cresce e ganha mercado transformando histórias (fotos) em filmes

Filipe Callil - 15 jun 2015Os quatro sócios da Stayfilm: Douglas Almeida, Daniel Almeida, Leandro Ferreira de Souza e Fabiano Simões.
Os quatro sócios da Stayfilm: Fabiano Simões, Leandro Ferreira de Souza, Douglas Almeida e Daniel Almeida.
Filipe Callil - 15 jun 2015
COMPARTILHE

Daniel, 28, e Douglas Almeida, 34, são irmãos, publicitários, sócios e, desde que fundaram a Stayfilm, possuem um ambicioso objetivo em comum: criar a maior plataforma de produção de filmes do mundo. Os primeiros insights para a criação da startup surgiram com o caçula que, em meados de 2012, percebeu um jeito de deixar mais atraente uma situação bastante comum.

“Sabe quando a gente visita uma pessoa e ela quer mostrar todas as milhares de fotos que tirou, por exemplo, na última viagem? Isso é bem cansativo e chega a ser assustador. Comecei a pensar que deveria existir um jeito mais interessante de se contar esse tipo de história”, conta Daniel.

A solução encontrada foi  desenvolver uma plataforma web e mobile na qual qualquer um pudesse transformar fotos e vídeos pessoais – do celular, computador ou redes sociais – em filmes temáticos. Em poucos cliques, o usuário consegue resumir a experiência vivida em uma viagem, casamento, aniversário etc em um filme.

Para colocar a ideia em prática, o Daniel chamou o irmão mais velho, com quem já havia trabalhado anteriormente. “Eu e o Douglas já tínhamos sido sócios em uma agência de publicidade. Aprendemos muita coisa juntos e jamais teríamos adquirido bagagem, conteúdo e contatos sem essa primeira experiência”, conta.

 

Trecho do site da Stayfilm que explica o funcionamento da ferramenta: simples e rápido.

Trecho do site da Stayfilm que explica o funcionamento da ferramenta: simples e rápido.

Pouco tempo depois, os programadores Fabiano Simões e Leandro Ferreira de Souza também se juntaram ao time de sócios para assumir o desenvolvimento tecnológico. Assim, a Stayfilm começou a ganhar corpo e também clientes. Desde a origem, o negócio mira alto, como diz Daniel:

“Queríamos criar algo que fosse mudar o mundo de alguma maneira e, hoje, entendemos que temos um produto com potencial pra isso”

A primeira versão do aplicativo foi lançada em outubro de 2013. De lá pra cá, quase um milhão de “histórias” já foram contadas por milhares de pessoas, espalhadas em 160 países. Segundo Daniel, só nos últimos sete meses, o número de acessos cresceu 320%. “Em novembro do ano passado, nós fomos eleitos como uma das 100 startups mais promissoras do mundo no evento Web Summit, que aconteceu em Dublin, Irlanda. Essa viagem foi o início do nosso crescimento global”, diz.

UMA IDEIA SIMPLES, BEM EXECUTADA

Uma das razões do rápido crescimento do número de acessos é a praticidade da ferramenta. O aplicativo é um dos produtores automáticos de filmes mais rápidos do mercado. Depois que o usuário seleciona as fotos e vídeos, em até 2 minutos, o sistema publica o conteúdo finalizado – que pode ser compartilhado nas redes sociais. Além de diferentes filtros para melhorar a qualidade das imagens (bem nos moldes do Instagram), é possível utilizar trilhas sonoras nas edições.

Atualmente, a ferramenta está disponível para iOS, Android, Windows Phone e também num novo serviço do Facebook Messenger — detalhe interessante: a Stayfilm foi a única startup da América Latina selecionada para fazer parte do Messenger Platform, um projeto que juntou 35 startups do mundo inteiro para desenvolver novas funcionalidades dentro do aplicativo de mensagens do Facebook.

Apesar das premiações e parcerias com grandes corporações – como Microsoft, Stefanini, Yahoo!, Amazon e Rock In Rio – Daniel acredita que o principal diferencial de sua empresa está no conceito. “Nosso desafio é que as histórias contadas no Stayfilm consigam passar efetivamente a emoção vivida naqueles momentos. É nisso que queremos ser diferentes de qualquer outra coisa que já exista”, afirma.

EXPERIÊNCIA PARA USUÁRIOS E TAMBÉM PARA MARCAS

O modelo de negócio da startup baseia-se, principalmente, em publicidade digital. Uma marca pode, por exemplo, desenvolver uma ação dentro da plataforma para se inserir de maneira legítima nos vídeos dos usuários. É o caso do trabalho criado recentemente em parceria com a Disney. Nesse caso, a ideia é fazer com que as pessoas utilizem personagens da Disney na construção de suas histórias.

Equipe Stayfilm: ao todo, 15 pessoas trabalham na startup, sediada em São Paulo.

Equipe Stayfilm: ao todo, 15 pessoas trabalham na startup, sediada em São Paulo.

Daniel não revela o faturamento da empresa, mas não esconde o entusiasmo quando o assunto é investimento. Mais de 50 pessoas já investiram um total de 5 milhões de reais na empresa. “Fizemos uma captação de investimento bastante inovadora na época (2012). Levantamos 3 milhões de reais para começar o negócio, 100% de pessoa física. No final do ano passado, fizemos outra rodada e conseguimos mais 2 milhões de reais. Hoje, temos uma das maiores captações de investimento-anjo que já se ouviu falar no Brasil”, diz ele.

Ao mesmo tempo em que lida com dados animadores, Daniel tenta manter os pés bem firmes no chão. “Temos aprendido um bilhão de coisas todos os dias. As emoções e situações que temos vivido são tantas que, às vezes, é necessário parar um pouco e analisar se ainda estamos caminhando em direção ao objetivo traçado”, conta.

Ainda neste mês, os dois irmãos partem para uma missão no Vale do Silício, na Califórnia. O intuito da viagem é buscar mais investimentos e também potencializar os trabalhos em parceria com o Facebook. Para os próximos anos, além de consolidar o mercado Brasileiro, a meta da empresa é expandir as operações para os Estados Unidos, Europa e Ásia. “Queremos ser de fato uma empresa global e também referência em empreendedorismo e tecnologia. Para isso, temos que nos tornar a maior plataforma de produção de filmes do mundo e possibilitar que qualquer pessoa transforme suas histórias em filmes com efeito e qualidade de cinema”, diz o caçula.

Sobre planos pessoais, Daniel é bem menos ambicioso. “Quero ter tempo para conciliar trabalho, família, saúde e os aprendizados que tenho todos os dias. De repente, morar em outros países”. Quem sabe ele não faz um filminho por lá?

 

1985 Total Views 1 Views Today

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Stayfilm
  • O que faz: Plataforma de produção automática de filmes
  • Sócio(s): Daniel Almeida, Douglas Almeida, Fabiano Simões e Leandro Ferreira de Souza
  • Funcionários: 15 (incluindo os sócios)
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: outubro de 2013
  • Investimento inicial: R$ 5 milhões
  • Faturamento: NI
  • Contato: [email protected] e [email protected]
COMPARTILHE

Confira Também: