Verbete Draft: o que é Acqui-hiring

Isabela Mena - 18 mar 2020
Uma Acqui-hiring bastante conhecida por aqui foi feita pelo Nubank, que em janeiro deste ano anunciou a compra da Plataformatec.
COMPARTILHE

Continuamos a série que explica as principais palavras do vocabulário dos empreendedores da nova economia. São termos e expressões que você precisa saber: seja para conhecer as novas ferramentas que vão impulsionar seus negócios ou para te ajudar a falar a mesma língua de mentores e investidores. O verbete de hoje é…

ACQUI-HIRING

O que acham que é: Uma nova especialização na área de Recursos Humanos.

O que realmente é: Acqui-hiring (ou acquihiring) é um termo formado a partir das palavras, em inglês, aquisition (aquisição) e hiring (contratação) e criado para designar a compra de empresas não pelo que produzem, mas pelo o que seu quadro de funcionários possuem. Geralmente, são grandes companhias comprando startups por causa de seus talentos.

Segundo Tiago Rodrigo dos Santos, professor da pós-graduação em Gestão de Pessoas: Desenvolvimento Estratégico do Capital Humano da FAAP (Faculdade Armando Alvares Penteado), o Acqui-hiring surgiu no começo dos anos 2000 e acontece principalmente no setor tecnológico. “É uma prática muito relacionada a empresas de tecnologia em busca de engenheiros de software altamente qualificados.”

Histórico: A prática acontecia sem grande barulho até que ganhou volume e visibilidade por volta de 2007, quando o Facebook fez seu primeiro Acqui-hiring.

A Business Insider (link no item “Para saber mais”) relata que, entre 2008 e 2012, o Facebook comprou 13 empresas apenas por causa de seus engenheiros de software. A publicação conta que no evento Startup School, em 2010, em Stanford, Mark Zuckerberg disse (aqui em tradução livre) que sua companhia nunca comprou uma empresa pelo negócio em si mas pela excelência de seu pessoal.

Três dessas empresas são FriendFeed, Drop.io, Hot Potato. Nesta última trabalhava Justin Schaffer’s, ponto que deu origem a um outro texto na Business Insider cujo título é “Facebook Will Pay $500,000 To $1,000,000 To ‘Buy’ An Engineer (link no item “Para saber mais”).

De acordo com Santos, o Acqui-hiring acontecia dessa forma porque o Facebook necessitava desses talentos para manter seu processo de expansão. “A companhia pagava um grande ágio em relação ao que os fundadores imaginavam que suas startups valiam.”

A Google é outra gigante de tech que aposta em Acqui-hiring. Em meados de 2012, comprou a Sparrow, uma startup francesa de aplicativos para e-mail, por causa de seu quadro de cinco funcionários.

Um ano depois, o Yahoo comprou o Tumblr por causa de seus engenheiros de software especialistas em mobile. Na conta do Yahoo há mais de 50 Acqui-hires.

No Brasil: Uma Acqui-hiring bastante conhecida por aqui foi feita pelo Nubank, que em janeiro deste ano anunciou a compra da Plataformatec. O valor do negócio não foi informado pela startup de finanças, mas seu objetivo na aquisição, sim: assimilar os 50 profissionais do quadro da empresa, especializada em engenharia de software e metodologias ágeis.

Outro caso é o da Gympass, startup mineira (que hoje existe em outros países) cujo aplicativo dá acesso a academias de ginástica dentro e fora do Brasil por meio de uma assinatura mensal ou do pagamento de diárias. Em novembro do ano passado, a empresa anunciou a compra de uma startup portuguesa de inteligência artificial, a Flaner, para adquirir seu time de profissionais nessa área.

Há ainda, entre outras, a Acqui-hiring da startup de aulas de inglês EnglishVox pela empresa de cursos online Portal Educação. A aquisição aconteceu há cerca de 10 anos

Benefícios: Aquisição de talentos já comprovados, principalmente na área de engenharia de software, difíceis de encontrar no mercado.

Santos diz que o Acqui-hiring permite a uma empresa conseguir rapidamente talentos que já são referências em sua área. “A prática é como uma aceleração do processo de contratação de profissionais experientes, que podem participar já em projetos significativos e trazer novos conhecimentos”

Já os funcionários podem ter mais oportunidades na carreira e participar de projetos maiores, até mesmo globais.

Efeitos colaterais: Pode haver conflito de culturas, segundo Santos. “Na maioria das vezes, o movimento acontece sem uma estratégia de junção ou de criação de uma cultura pré-determinada. Isso gera falta integração e podem surgir problemas, que têm que ser administrados em tempo real.”

Outra questão que pode ocorrer é a sensação de perda de poder por parte do fundador de uma startup (a adquirida) que passa a ser funcionário em uma empresa grande (a compradora).

Quem é contra: Pessoas que veem com maus olhos o fechamento de um negócio para impulsionar o outro, principalmente se ambos forem concorrentes no mercado. A Quartz fala sobre isso no texto “Yahoo has a bad habit of buying talent through acquisitions”.

Para saber mais:
1) Leia, na Business Insider, os textos 13 Startups Facebook Acqui-Hired For Millions Of Dollars e Facebook Will Pay $500,000 To $1,000,000 To “Buy” An Engineer.
2) Leia, no TechCrunch, If At First Your Acqui-Hire Sucks, Try Again.
3) Leia, no Quartz, Yahoo has a bad habit of buying talent through acquisitions

1755 Total Views 3 Views Today
COMPARTILHE

Confira Também: