APRESENTA

Como Barbara Brier se tornou referência feminina no setor da reparação automotiva

Fernanda Cury - 11 fev 2020
Para correr atrás de sua realização ela pediu demissão e começou a empreender em um negócio voltado justamente para sua grande paixão: os carros.
COMPARTILHE

Crédito imagem: Sarah Torres

Você já se sentiu deslocado em seu ambiente de trabalho, como se as suas tarefas diárias não combinassem com seu propósito? Foi por se sentir assim que a empreendedora Barbara Briers resolveu abrir seu próprio negócio. “Tudo começou a  partir de uma dor, de não estar mais me encaixando ou me encontrando na empresa na qual trabalhava. Naquele momento eu desejava mudar o rumo a minha vida, não estava feliz, queria viver de outra forma para ter mais qualidade no dia a dia”, lembra.

Técnica em Automobilística, graduada em gestão da produção industrial e pós-graduada em Educação Superior, naquela época Barbara atuava como líder de projetos de treinamento em uma montadora de automóveis e entre as suas funções estava a gestão dos treinamentos técnicos para a aplicação em uma rede com mais de 500 concessionárias.

Mas para correr atrás de sua realização ela pediu demissão e começou a empreender em um negócio voltado justamente para sua grande paixão: os carros. Acompanhe esse bate-papo.

Como nasceu a Brier Cars?

Foi em 2016. Eu tinha voltado de férias, estava sem dinheiro, e para conseguir uma renda extra comecei a vender manuais de carros antigos e algumas sucatas que havia guardado em casa. Durante o processo da oferta e venda eu percebi que os colecionadores gostavam de conversar comigo a respeito de carros antigos, fiquei impressionada com a paixão e a emoção que o assunto despertava nas pessoas. Assim surgiu a ideia de montar o Brier Cars, um blog para falar sobre esses temas.

E como o projeto evoluiu e se tornou a Oficina Amiga da Mulher?

Quando minhas amigas viram o Brier Cars crescer e perceberam o quanto eu entendia de carros, me pediram para começar a ensinar mecânica básica. Eu aceitei e comecei a organizar as turmas de mecânica para mulheres. O negócio evoluiu de tal forma que resolvi deixar meu emprego para me dedicar totalmente à empresa.  As demandas das mulheres aumentaram, e não somente a nível local, mas a nível Brasil. Por isso pensei em criar uma forma de indicar oficinas para esse público. A partir daí surgiu o selo de responsabilidade social Oficina Amiga da Mulher.

Explique-nos como funciona o negócio?

Fazemos uma ponte entre Mulheres e Oficinas Mecânicas. Para isso acontecer treinamos, capacitamos e avaliamos oficinas mecânicas que desejam ser certificadas e receber nosso selo Oficina Amiga da Mulher. Paralelamente, oferecemos às mulheres, dicas nas nossas redes sociais de mecânica e fazemos workshops e eventos de mecânica básica para mulheres nas oficinas certificadas pelo Brasil.

Como é a sua atuação na empresa?

Sou fundadora e faço parte do corpo técnico. Sou responsável, ainda, pela estratégia e aplicação técnica no campo. Dou aulas, palestras, faço visitas e consultorias nas oficinas distribuídas pelo Brasil. Questões comerciais, administrativas e operacionais, ficam por conta da minha sócia e prima, Fernanda Brier.

Quais estratégias têm dado melhor resultado nesta trajetória?

A capacitação e treinamento nas oficinas, tanto de forma presencial como à distância, para empoderar os homens reparadores de forma que saibam atender as mulheres com respeito e transparência.

Por outro lado, quais caminhos foram deixados de lado?  

Decidi reduzir a oferta de treinamentos extensos e os contratos com grandes empresas e redes. Meu foco, hoje, é atender às pequenas oficinas que quiserem ser certificadas, oferecendo treinamentos online e, por último, realizando a auditoria in loco.

Quais as principais lições que você tirou desde o início da sua trajetória empreendedora até agora?

Meu primeiro e principal aprendizado foi separar a conta pessoal da jurídica. A Fernanda, minha sócia, me ajuda muito a manter os processos bem definidos e organizados.

Outra coisa que aprendi é que empreender não é rápido. É como plantar uma árvore, demora para as raízes crescerem e ficarem firmes. É importante dedicar o tempo necessário a cada etapa: teste do produto, teste da venda, coleta de leads e clientes, construção da sua autoridade no mercado. Mas, por outro lado, acredito que nessas fases seja importante ter uma carta na manga, ou seja, um produto ou serviço que seja fácil e rápido de vender, para pagar as contas mínimas.

“Esse foi o meu erro: na fase inicial eu investi todo meu dinheiro e não planejei um plano B, que pudesse dar um suporte no plano A. O começo da empresa foi de muita pesquisa e divulgação, mas pouquíssimas vendas. A alternativa foi mexer no valor do produto (pagamento recorrente) para aumentar as vendas e mudar a forma de entrega dos treinamentos (do presencial para o on-line)”

Qual foi a sua maior conquista até aqui?

Estar sendo reconhecida e ser uma referência feminina no setor da reparação automotiva e no quesito confiança em oficinas mecânicas.

Qual é o seu sonho? O que ainda falta realizar?

Aumentar o número de oficinas certificadas, acertar a minha entrega e agregar valor para essas oficinas, de tal forma que eu possa focar na oferta dos serviços credenciados para as mulheres. E principalmente, desenvolver e fortalecer a rede Oficina Amiga da Mulher.

Se pudesse voltar no tempo e refazer uma decisão, corrigir algum momento de sua trajetória, o que seria?

Quando saí da empresa automotiva na qual trabalhava, deveria ter feito uma viagem para colocar as ideias em ordem. Além disso, no início da empresa, teria criado um negócio ou loja que pudesse sustentar financeiramente a Oficina Amiga da Mulher.

Se pudesse dar apenas uma dica para quem está querendo empreender, qual seria?

A trajetória empreendedora é cheia de altos e baixos, o segredo é a constância e foco, persistência de que vai chegar no seu objetivo final, mesmo que mude a rota várias vezes. Se possível, tenha uma segunda fonte de rendas que permita manter suas contas básicas para que você possa ter mais liberdade para se dedica ao negócio.

Quais seus planos para o futuro?  

Ampliar a Rede Oficina Amiga da Mulher em todo o território nacional e depois na América Latina.

 

Para saber mais:

Oficina Amiga da Mulher

O que faz: Conecta mulheres às oficinas mecânicas

Sócios: Barbara Brier e Fernanda Brier

Funcionários: 3

Sede: Belo Horizonte (MG)

Início das atividades: Julho/2019

Investimento inicial: 15 mil reais

Contato: [email protected]

Esta matéria pode ser encontrada no Itaú Mulher Empreendedora, uma plataforma feita para mulheres que acreditam nos seus sonhos. Não deixe de conferir (e se inspirar)!

 

 

2062 Total Views 1 Views Today
COMPARTILHE

Confira Também: