Conheça os bastidores da ZeroPaper, startup com 1 milhão de usuários e adquirida por uma empresa do Vale

Filipe Callil - 24 set 2015
O quarteto fundador da ZeroPaper. Da esquerda para direita: Arley Moura, Cadu Carvalho, André Macedo e Cadu Braga.
Filipe Callil - 24 set 2015
COMPARTILHE

Eles passaram por todas as etapas: concepção, aceleração, investimento e, até mesmo, aquisição. Como nem tudo são flores, neste processo também tiveram que passar por momentos bem difíceis. E que os levou a refletir sobre um dilema que persegue quase todos os empreendedores: até que ponto vale realmente a pena abrir mão de tudo para investir em um sonho?

Hoje, aos 36 anos de idade, com uma graduação em Redes de Computadores e um MBA em Segurança da Informação, André Macedo tem a resposta na ponta da língua: “Até o último suspiro”.

Junto com mais três amigos, em 2012 ele fundou, a ZeroPaper, uma plataforma de gestão financeira adquirida, recentemente, por alguns milhões de dólares pela Intuit (uma líder global que desenvolve soluções financeiras sediada no Vale do Silício, na Califórnia).

A trajetória de sucesso da startup – que depois da negociação passou a se chamar QuickBooks ZeroPaper – foi relativamente rápida. Menos de quatro anos. Já os desafios enfrentados para se chegar até lá, estes o empreendedor garante que duraram muito mais tempo.

Nascido em Brasília, durante a infância André não teve muitas mordomias. “Venho de uma família muito simples. Meu pai era serralheiro e dava um duro danado para pagar as contas. Depois, ele começou a vender gado e até chegou a abrir uma loja de carros usados. Mas, sempre precisou ralar muito”, conta.

Aos 15 anos, perdeu a mãe. “Meu pai ficou tão abalado com a morte dela que, durante um tempo, parecia viver em um mundo à parte”, diz. Sem ninguém para controlá-lo, o garoto parou de ir à escola e repetiu por causa de faltas. Quase abandonou os estudos.

Um ano depois, decidiu que iria trabalhar na oficina mecânica do tio. “Eu era responsável pelas piores tarefas. Passava o dia lixando carros e trocando as juntas dos motores.” Apesar de exaustivo, o emprego rendeu a ele o primeiro carro de sua vida (um Passat de 1977 que custou 1 700 reais). E também trouxe responsabilidade: “Me dei conta de que precisava me esforçar muito para não ficar a vida inteira fazendo aquilo”. André passou, então, a estudar tudo o que não havia estudado até então. Assim que acabou o colégio, matriculou-se num curso de informática. E nunca mais sairia da área.

Os perrengues no período de aceleração, da 21212 do Rio de Janeiro, uniram mais os quatro sócios.

Os perrengues no período de aceleração, da 21212 do Rio de Janeiro, uniram mais os quatro sócios.

Com o expertise adquirido nas aulas e também em alguns estágios, juntou-se com um amigo de infância para abrir o primeiro negócio: uma assistência técnica de computadores. “Era um mercado promissor. Estávamos nos anos 1990 e ninguém sabia mexer em computadores. Então, peguei todas as minhas economias, comprei um celular – que na época era algo muito caro – e colei dezenas de cartazes pela cidade oferecendo serviços de manutenção. No dia seguinte choviam ligações”, conta.

O jovem empreendedor começou a ganhar dinheiro. Mas ainda não o suficiente. Cerca de um ano e meio depois, resolveu fechar a empresa e buscar um emprego que pudesse remunerá-lo mais. André foi parar na área de T.I. de grandes organizações públicas e privadas. Entre elas, o Ministério da Educação, alguns bancos e outras instituições financeiras. Com um aumento de salário ano após ano, chegou a fazer viagens internacionais comprar um apartamento e até carros importados. Daí, a saudade de empreender falou mais alto.

O ÚLTIMO EMPREGO E A PRIMEIRA STARTUP

Em 2006, o trabalho no Serasa (o último que tivera como funcionário) passou a ser conciliado com sua primeira startup: a Carro Livre – uma das primeiras plataformas de anúncio de carros do país. Quando o negócio começou a decolar, ele pediu demissão e passou a se dedicar 100% ao projeto.

A empresa funcionou até 2011. Chegou a ter 10 funcionários e faturar mais de 30 mil reais por mês. Porém, o André acredita que errou no modelo de negócio. “Depois de um certo ponto, ele deixou de ser sustentável. Os donos das lojas de automóveis não queriam mais anunciar. Mas, ainda assim, me procuravam para pedir consultorias sobre como investir em mídia na internet”, diz.

Recém-casado com Maria Lina Rosa de Oliveira Dias, o empreendedor decidiu criar, dessa vez ao lado da esposa, exatamente uma agência de marketing digital — para não perder aquela clientela em busca de consultoria. Em seis meses de operação, a Brasília Mídia, como foi batizada, já faturava 15 mil reais por mês. Apesar disso, André ainda estava insatisfeito. Sentia falta de um projeto que realmente fosse inovador. E, principalmente, algo que pudesse escalar para o mundo inteiro. Com base no que aprendera trabalhando em instituições financeiras, ele começou a rascunhar o que um dia se tornaria a ZeroPaper:

“Eu não tinha muita ideia do que estava por vir. Só sabia que seria algo que pudesse resolver a vida financeira das pessoas e que fosse escalável”

Para colocar suas ideias em práticas, ele também sabia que precisaria de sócios. E fez questão de escolhê-los a dedo. “Fui atrás dos melhores profissionais que pude encontrar em Brasília”, diz. Juntaram-se, então, ao projeto: o designer Cadu Carvalho, 29, o administrador Cadu Braga, 32, e o desenvolvedor de sistemas Arley Moura, 31.

André ao lado da esposa Maria Lina e do filho Gabriel, em viagem a Nova York.

André ao lado da esposa Maria Lina e do filho Gabriel, em viagem a Nova York.

Um dia, antes mesmo de dar início ao projeto, eles viram um anúncio da aceleradora carioca 21212 à procura de startups para o segundo ciclo de aceleração. Sem pensar duas vezes, eles se inscreveram no edital.

“Nós formamos um time impecável, capaz de executar qualquer tipo de negócio”, afirma André. Mesmo sem ter a ideia do negócio totalmente definida, o quarteto passou na primeira fase de seleção e viajou até a sede da 21212, no Rio de Janeiro, para apresentar o projeto. A persistência deles teria sido a primeira virtude a encantar Marcelo Sales, fundador da aceleradora.

“Lembro que quando a reunião acabou, o Marcelo veio atrás da gente e perguntou: ‘vocês estão realmente dispostos a mudar para o Rio de Janeiro e investir nessa empresa?’ A gente respondeu que sim e ele disse que estávamos dentro”, conta.

A disposição em apostar no novo negócio era verdadeira, mas isso não amenizou as dificuldades. Os primeiros seis meses de aceleração foram especialmente difíceis para André, que ficou afastado da esposa Maria Lina Rosa de Oliveira Dias e do filho Gabriel, então com dois anos — eles permaneceram em Brasília:

“Minha mulher evitava me contar quando meu filho chorava de saudades só para eu não desistir antes da hora”

Além da distância da família, o dinheiro que os sócios tinham para sobreviver no Rio de Janeiro não dava conta de tudo. “A gente passou muito perrengue. Morávamos todos em um apartamento de favor e tínhamos que nos virar para comer. Diversas vezes pensamos em desistir. Mas nessas horas um sócio apoiava o outro”, conta André.

PRIMEIRO O PRODUTO, DEPOIS O NOME

O nome ZeroPaper só surgiu quatro meses após o início da aceleração. “No início a nossa única preocupação era encontrar o modelo ideal de negócio. Algo que realmente resolvesse a vida de alguém. A gente passava o dia falando com centenas de comerciantes pelas ruas do Rio até lapidarmos bem o produto.”

A startup nasceu e se transformou em uma solução em gestão financeira justamente para as pessoas que nunca se preocuparam com isso. “Com a pesquisa de campo que fizemos, descobrimos que a maioria dos pequenos e micro empreendedores não possui nenhum tipo de controle financeiro. Principalmente pela falta de conhecimento no assunto e pela complexidade das outras ferramentas existentes no mercado”, afirma André.

A ZeroPaper se propõe a ser uma solução simples e intuitiva para a gestão financeira de pequenas empresas.

A ZeroPaper se propõe a ser uma solução simples e intuitiva para a gestão financeira de pequenas empresas.

Na prática, a ZeroPaper se propõe a ser uma opção simples, intuitiva e educativa. A ideia é que, em poucos cliques, o usuário possa criar um controle de fluxo de caixa, emitir boletos bancários, gerar relatórios e aprender mais sobre finanças. A interface é recomendada para profissionais autônomos, liberais, MEIs e microempresas. Os dados são criptografados e outra vantagem é que a ZeroPaper pode ser usada no desktop ou na versão aplicativo, para iOS e Android.

O modelo de negócio se baseia no formato freemium (free + preemium). Ou seja, dá para usar a ferramenta de graça ou então uma mensalidade – atualmente de 39,90 reais – para ter mais serviços e benefícios.

AS PRIMEIRAS CONQUISTAS

No “Demo Day” da 21212 (último dia do ciclo de aceleração no qual as startups apresentam seus projetos para dezenas de investidores), a ZeroPaper conseguiu fechar um investimento com a TOTVS Ventures, unidade de corporate venture capital da TOTVS. O aporte recebido acelerou o processo de desenvolvimento.

Em 2014, já com o produto no mercado e em expansão, a empresa foi convidada para participar da etapa São Paulo do U-Start – um concurso internacional de empreendedorismo que, naquela edição, iria premiar os três melhores projetos com uma viagem para Milão, Itália. A ZeroPaper foi a vencedora. A notícia repercutiu no mundo e chegou até a Intuit.

“Um belo dia, uma mulher norte-americana entrou em contato comigo dizendo que trabalhava lá e que gostaria muito de conversar comigo para conhecer mais sobre a ZeroPaper. Quase achei que era piada”, diz. Depois de quase um ano de conversas, a Intuit fez a proposta para adquirir a startup.

O valor exato da transação nunca foi publicamente revelado. Com ela, André tornou-se Country Manager da Intuit no Brasil e todos os demais sócios também assumiram cargos de gestão na companhia.

Atualmente, a ZeroPaper faz parte da linha QuickBooks, um grupo de ferramentas da Intuit para gestão financeira. “Cada uma atende um perfil diferente de cliente e elas se complementam entre si. O QuickBooks ZeroPaper continua sendo o produto voltado para o micro e pequeno empreendedor”, diz André.

O mercado recebeu bem a oferta, e o QuickBooks ZeroPaper possui quase um milhão de usuários na modalidade gratuita. “Nosso principal objetivo agora é aumentar essa base em dezenas de vezes. Depois pensaremos na melhor estratégia para convertê-la em assinantes”, afirma o empreendedor. Sobre os planos na vida particular, André apenas diz: “Quero aproveitar ao máximo minha família”.

2977 Total Views 1 Views Today

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: QuickBooks ZeroPaper
  • O que faz: Plataforma de gestão financeira
  • Sócio(s): André Macedo, Cadu Carvalho, Cadu Braga e Arley Moura
  • Funcionários: 30 (incluindo os sócios)
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: abril de 2012
  • Investimento inicial: NI
  • Faturamento: Quase R$ 1 milhão em 2014
  • Contato: www.zeropaper.com.br
COMPARTILHE

Confira Também: