E se o entregador pudesse definir o valor do seu serviço? Saiba como o AppJusto quer tornar o delivery bom para todo mundo

Dani Rosolen - 20 set 2021
O time do AppJusto, com o cofundador Rogério Nogueira (ao centro, de camiseta preta), além de alguns entregadores e voluntários.
Dani Rosolen - 20 set 2021
COMPARTILHE

Você sabe quanto recebe o entregador que faz o delivery da comida que você pede por aplicativo? E quanto o restaurante paga para a empresa do app para expor seus produtos lá? Provavelmente não, porque esses dados não costumam ser divulgados.

Para tornar essa cadeia mais transparente e justa para todos os envolvidos, Pedro Saulo Brito, 39, e Rogério Nogueira, 41, e mais quatro sócios criaram o AppJusto, uma plataforma de delivery que permite aos trabalhadores definir o valor de seu serviço, enquanto cobra dos restaurantes uma taxa de 5% (acrescido das taxas do operador financeiro), quase seis vezes menos do que os aplicativos de entrega tradicionais costumam cobrar.

Pedro Saulo é desenvolvedor; Rogério formou-se em publicidade, mas fez curso técnico em programação. Empreendedores seriais, os dois já tinham fundado juntos a desenvolvedora de softwares Weka (que já encerrou as atividades) e a Allya, empresa de benefícios corporativos mais tarde vendida pela dupla. Ambos também têm em comum o interesse pela Gig Economy e a frustração com o padrão consagrado de startups que nascem para ser unicórnios.

Em conversas sobre o assunto, eles chegaram em um ponto que os incomodava na economia de plataforma e que gostariam de resolver com a tecnologia: a precarização do trabalho nos aplicativos de delivery. Segundo a consultoria Análise Econômica, cerca de 645 mil pessoas prestavam serviços por aplicativos de delivery em junho de 2020, 158% a mais do que em 2019, um reflexo da crise econômica provocada pela pandemia.

Ao longo de um ano, os dois fizeram pesquisas, com apoio de entidades como Coletivo Pinheiros (organização do bairro de mesmo nome, onde eles realizaram os primeiros testes da empresa) e ANR (Associação Nacional de Restaurantes), para entender como a ferramenta deveria funcionar. Além disso, contaram com o apoio de 30 voluntários de diferentes especialidades — e um aporte de 650 mil reais de investidores-anjo.

Assim, em agosto deste ano, a dupla pôs no ar o aplicativo, por enquanto ainda em fase beta. Hoje, o AppJusto conta com mais de 4 500 entregadores cadastrados (800 já aprovados em definitivo) e mais de 300 restaurantes (80 aprovados), além de 3 mil usuários. No momento, o raio de atuação se restringe à Zona Oeste e a parte da Zona Sul de São Paulo. Em um mês de operação, foram feitas mais de 650 entregas, sendo 30 por dia aos fins de semana.

A seguir, Rogério fala como foi o processo de cocriação do AppJusto junto a entregadores e restaurantes, por que ele e o sócio optaram por criar um aplicativo com código livre — e como enxerga o futuro da Gig Economy.

 

O que despertou o interesse de vocês pelo tema dos entregadores e dos aplicativos de entrega?
Ficamos motivados a criar algo depois que vimos um episódio do programa Greg News [da HBO], em abril de 2020, sobre delivery (veja aqui).

O Gregório Duvivier expôs algo que já estava muito claro para todo mundo e mais latente ainda na pandemia: a exploração dos entregadores. Vimos ali uma oportunidade interessante de criar uma alternativa mais justa para a economia de plataforma

Existem dois tipos de economia de plataforma. Na não-transacional, um algoritmo ou outro sistema define o valor do pagamento e o prestador de serviço não tem previsibilidade de quanto vai ganhar. É como opera hoje em dia, por exemplo, a Uber.

Além disso, muitas plataformas têm um sistema de bloqueio do app caso o entregador não cumpra metas, o que cria um certo controle, uma relação no mínimo estranha que não é a de um profissional autônomo.

Decidimos, então, desenvolver um aplicativo de delivery transacional. Ou seja, o próprio profissional autônomo define seu preço e a plataforma faz apenas o match entre as duas pontas, ficando com uma porcentagem clara em cima disso.

Como vocês chegaram ao modelo do AppJusto?
Depois do Greg News, começamos as pesquisas. O Saulo foi investigar a parte tecnológica, enquanto eu conversava com entregadores, restaurantes e associações.

Ao longo de quase um ano, fizemos a co-construção de como funcionaria o aplicativo com diversos focus groups e pesquisas online, ouvindo 251 restaurantes e 125 entregadores, mais de mil potenciais consumidores, além de associações e lideranças do setor.

Foram os próprios entrevistados, restaurantes e entregadores, que definiram as regras do AppJusto. Chegamos a alguns compromissos-chave que tornam a gente mais do que um app, e sim um movimento por relações mais justas e democráticas.

E quais são essas regras? Como funciona o aplicativo?
Os restaurantes aparecem para os consumidores por distância; o aplicativo toca para o entregador que estiver mais próximo do local de retirada. A nossa remuneração é uma taxa de 5% por pedido, paga pelos estabelecimentos [segundo Rogério, a taxa dos grandes aplicativos do mercado é de cerca de 27%]. Com uma taxa menor do que dos outros apps, o custo dos produtos repassado para os clientes acaba ficando mais baixo.

Além da nossa comissão, os restaurantes arcam com o gateway de pagamento. Com o objetivo de reduzir estes custos para os estabelecimentos, conseguimos uma parceria com a Iugu, que oferece uma taxa de 2,21% no crédito e 0,99% no Pix.

Já os entregadores trabalham com um modelo de frotas e definem o valor que querem receber pelo serviço [a ser pago pelos consumidores]. Na frota padrão, usamos como referência o valor definido pelos entregadores no Breque dos Apps, que é de 10 reais em entregas de até 5 quilômetros e mais 2 reais por quilômetro adicional. A plataforma não fica com nada

Por beneficiar tanto os entregadores quanto os consumidores e os restaurantes, nosso lema é: “Só é bom quando é bom para todos”.

Como esse sistema de frotas funciona, na prática?
Quando os entregadores entram no aplicativo, automaticamente eles estão na frota padrão. Mas podem também criar frotas conforme a região de atuação.

Por exemplo, se começar a chover na Avenida Paulista, eles podem criar uma frota “Paulista com chuva” e aumentar o valor de cobrança por estarem se expondo mais. Quando o consumidor for pedir, vai ver primeiro a frota que tem mais entregadores cadastrados na região.

Mas a frota não é só sobre valores. Tem relação com o perfil. É possível criar uma frota das entregadoras mulheres, das bikes elétricas, das cooperativas etc. E o consumidor tem autonomia para escolher quem vai entregar. Se quiser que seja alguém de bike ou uma mulher, pode escolher a frota específica

Hoje, nosso pagamento médio [por entrega] está em R$ 12,70. Se o entregador conseguir pegar de 12 a 18 pedidos por dia, trabalhando seis dias da semana, pode ganhar até 4 mil reais por mês.

Existem várias pesquisas sobre outros aplicativos de delivery que apontam uma média de 2 mil a 3 mil reais, mas isso depende muito do número de pedidos, horas e dias trabalhados.

Existe o risco de esse sistema de frotas fomentar um leilão de preços?
Não, porque se alguém baixar demais o valor, para tentar conseguir mais entregas, vamos estar monitorando e checando o que aconteceu. Além disso, a frota só ganha força e aparece para o consumidor de acordo com o volume de entregadores cadastrados. Uma frota de uma pessoa oferecendo um valor mais baixo não terá visibilidade no aplicativo.

Por que vocês optaram pelo código livre no momento de construir o AppJusto?
A gente tem o compromisso do bem coletivo, por isso nosso código fonte é livre. Assim, podemos ajudar cooperativas a utilizarem seus próprios aplicativo — ou a fortalecerem o nosso.

E se alguém pegar nosso código fonte e criar um aplicativo concorrente, estaremos cumprindo nosso propósito de combater o monopólio, a exploração do trabalhador e as taxas abusivas

Hoje a gente está na mão de oito grandes plataformas de delivery. Quanto mais opções existirem no mercado, melhor o resultado para os envolvidos nesse ecossistema.

Como os entregadores enxergam a possibilidade de uma regulamentação de suas atividades?
Segundo pesquisa do Ibope, 70% dos entregadores prefere ser autônomo, mas acha interessante ter alguns benefícios assegurados, como por exemplo seguro acidente.

Muitos dos entregadores fazem esse trabalho para complementar renda, ou seja, já têm um trabalho fixo. Portanto, se ele é CLT, não poderia ser registrado também para prestar o serviço de delivery. Tem gente que eu entrevistei que precisa contribuir em casa com tempo, cuidando dos filhos ou de outros familiares, e por isso não consegue ou não quer um trabalho CLT.

Eu acho que nosso papel enquanto startup de impacto é, no mínimo, trazer dados, criar discussões e dar participação para todos os envolvidos para que sejam criadas leis melhores.

Qual o principal desafio até aqui para colocar o AppJusto no ar?
Empreender com uma iniciativa de impacto social é com certeza o maior desafio, porque todo mundo é descrente, acha que não vai dar certo ou diz que vai esperar dar certo para entrar.

Quando você não faz o jogo do ecossistema, de milhões de reais, o cenário é mais complicado

Existe um pouco de glamourização sobre o valuation no mundo empreendedor. Em vez disso, a gente deveria valorizar se as pontas estão ganhando, se as pessoas estão envolvidas — e se estamos vendo valor no que é feito.

Como você enxerga o futuro da Gig Economy?
Na questão da exploração do trabalhador, muitos países já estão discutindo a regulação da profissão. A Inglaterra, por exemplo, considera dar benefícios proporcionais ao número de horas trabalhadas.

Para além do universo dos entregadores, existe a Gig Economy que envolve profissionais autônomos: designers, redatores, programadores, pintores etc. Esse modelo vai explodir

Basta ver o crescimento de plataformas como o GetNinjas. Somado a isso, há um movimento de cada vez mais pessoas saírem de grandes cidades. Com a Gig e Economy, elas conseguem trabalho — mesmo estando distantes da sede da empresa, inclusive em outros países.

388 Total Views 1 Views Today

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: AppJusto
  • O que faz: Aplicativo de delivery que permite ao entregador definir o preço do seu serviço
  • Sócio(s): Daniel Lima, Eduardo Araújo, Fernando Fuzii, Ítalo Monteiro, Pedro Saulo Brito e Rogério Nogueira
  • Funcionários: 13 (além de 30 voluntários)
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2021 (agosto)
  • Investimento inicial: R$ 650 mil
  • Contato: [email protected]
COMPARTILHE

Confira Também: