“Não somos robôs!”: a MindSelf fortalece o equilíbrio emocional e a produtividade levando o hábito da meditação ao escritório

Italo Rufino - 11 jul 2022
Alexandre Ayres (à esq.) e Wagner Lima, os sócios da MindSelf (foto: divulgação).
Italo Rufino - 11 jul 2022
COMPARTILHE

Em meados de 2013, Alexandre Ayres vivia estressado. Ele era executivo do Banco Itaú e liderava três gerências, com 25 funcionários. Emocionalmente tenso, o gestor desenvolveu uma gastrite, que estava prestes a evoluir para uma úlcera

Seu médico recomendou um tratamento que lhe causou estranheza: meditação. Alexandre, que hoje tem 52, relembra:

“Até então, eu via a meditação como algo religioso ou místico. Minha visão mudou ao descobrir que a prática era tema de pesquisas de neurociências, com benefícios para o trabalho e competição. Era o que eu precisava”

Ele começou a meditar diariamente. Seis anos depois – e com a saúde física e mental em dia –, Alexandre se aposentou e decidiu fazer do seu hábito um negócio. Nascia a MindSelf, empresa de programas de meditação e mindfulness focada em atender o mundo corporativo. 

A healthtech trabalha com o conceito de desenvolvimento pessoal por meio da formação do hábito de meditar. Entre os serviços estão cursos, treinamentos e palestras de conscientização para executivos e liderados. Há também a oferta de um aplicativo próprio, com sessões guiadas, aulas e exercícios. 

O app funciona como um gerenciador de engajamento dos funcionários, que têm 16 áreas de qualidade de vida mapeados, como controle do estresse, autoestima, autocuidado, qualidade do sono e produtividade. Ah, toda a comunicação é feita com linguagem técnica e adequada para o mundo corporativo.

CLIENTES COMO O BANCO BV E A MONDELEZ HOJE ABRIGAM CABINES DE MEDITAÇÃO DA MINDSELF EM SEUS ESCRITÓRIOS

A MindSelf atende clientes de grande porte, como Itaú, Bayer, Vivo, Herbalife e Carrefour, e empresas menores, como consultorias e cooperativas agrícolas. Nos últimos meses, tem conquistado indústrias, que, inclusive, expande os programas para funcionários operacionais.

Colaboradora em estação de meditação da MindSelf.

Os valores pagos pela clientela variam entre 2 mil e 20 mil reais mensais; 85% dos clientes são recorrentes.

Os preços dependem da quantidade de colaboradores que serão impactados e o pacote de produtos contratados. O Banco BV e a Mondelez, por exemplo, abrigam em seus escritórios cabines de meditação da MindSelf.

O mix de contratos rendeu receitas de 1 milhão de reais no ano passado. Em 2022, a meta é dobrar o faturamento. Alexandre diz:

“O nosso propósito é levar bem-estar e equilíbrio emocional às pessoas. Assim, elas têm maior capacidade de lidar com os desafios diários. Ambiente de trabalho saudável traz mais resultados para as empresas” 

Falando em desafios, há muitos quando o assunto é adoecimento emocional. Segundo uma pesquisa realizada conjuntamente por universidades de 11 países das Américas, Ásia e Europa, o Brasil foi líder no número de casos de ansiedade e depressão em 2021; Irlanda e Estados Unidos completam esse triste pódio. 

BURNOUT, DEPRESSÃO, ANSIEDADE: A SAÚDE MENTAL EM BAIXA NO BRASIL DERRUBA A PRODUTIVIDADE NO TRABALHO

Questões de saúde mental entre os brasileiros afeta em cheio as empresas devido ao aumento de casos de absenteísmo, presenteísmo (quando o funcionário comparece ao escritório, mas não consegue desempenhar suas tarefas) e afastamentos médicos. As perdas econômicas para as os negócios são estimadas em 200 bilhões de reais ao ano

Nos últimos anos, infelizmente, outra doença invadiu o mundo corporativo: o burnout. Outra pesquisa, da consultoria de recursos humanos LHH, que ouviu 14,8 mil pessoas em 25 países, apontou que 38% dos trabalhadores sofreram de burnout em 2021. 

Mesmo após a recuperação, 32% afirmaram que o bem-estar não voltou ao que era antes. Tal panorama fez com que a Organização Mundial de Saúde inserisse o burnout no rol de doenças ocupacionais. 

Num cenário pós-pandêmico, somados a conjuntura de incertezas sociais, políticas e econômicas, o trabalhador brasileiro tem sentido falta de foco, problemas com a memória e baixa imunidade. 

“A pandemia causou rupturas na rotina das pessoas. Houve um medo generalizado e perda de entes queridos, além dos desafios de trabalhar à distância. Fomos forçados a nos adaptar rapidamente, o que afetou o nosso metabolismo”

Num mundo frenético e repleto de estímulos, desenvolver o autoconhecimento e inteligência emocional é fundamental. A vida é impermanência, uma sequência de desafios. É preciso desenvolver habilidades e encontrar tempo para se fortalecer, e não sucumbir. 

Alexandre conta que tem crescido o debate sobre saúde mental e trabalho. Empresas com maior atenção com os seus colaboradores têm se capacitado, tanto é que a carteira de clientes da MindSelf cresceu rapidamente nos últimos dois anos. 

No período, foram mais de 2,5 mil sessões de meditação online, ministradas ao vivo por instrutores da MindSelf, com cerca de 75 mil participações. As lives são realizadas no horário de expediente. 

“O foco é tratar a meditação como uma prática desenvolvimento pessoal mesmo, isenta de misticismo.”

PREVENÇÃO, ESCUTA ATIVA E LIDERANÇA: O MELHOR TRATAMENTO PARA MANTER A EQUIPE SAUDÁVEL 

Ele cita que as ações têm um caráter preventivo e que, para funcionar, tem que começar pela liderança, que precisa dar espaços de fala para os funcionários e prestar muita atenção no que eles dizem. 

Segundo Alexandre, é necessário criar um microuniverso – seguro e confortável – para o time. A ideia é que as pessoas normalizem falar sobre depressão e ansiedade da mesma forma que comentam que estão com o colesterol alto. 

Assim, a empresa pode oferecer tratamentos adequados antes que o funcionário procure ajuda prestes a entrar em surto. 

“Precisamos e gostamos de trabalhar, mas não somos robôs. Cuidar dos funcionários é humanizar as relações no mundo corporativo. O aumento da produtividade é uma consequência quase natural”

Falando em relações no mundo corporativo, foi uma delas que deu origem à MindSelf. Enquanto era funcionário de grande empresa, Alexandre começou uma amizade com outro executivo: Wagner Lima, que também é sócio fundador da healthtech. 

Wagner tem uma trajetória robusta. Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Uberlândia e com especializações em coaching e análise de perfil comportamento, ele foi executivo da Accenture, HP e IBM, entre outras empresas.

Wagner conduz uma sessão de meditação guiada com funcionários do Itaú.

Para tirar a empresa do papel, os sócios investiram 150 mil reais, provenientes de recursos próprios. Alexandre diz que o maior investimento foi de tempo, dedicado em estudos de mercado e, principalmente, para criar estratégias de diferenciação. 

Entre concorrentes e substitutos da MindSelf estão desde empresas de benefícios a clínicas de psicologia e apps de meditação. “Daí a necessidade de desenvolver um método próprio e ter instrutores de meditação dentro do quadro de funcionários”, diz. 

A EQUIPE SE DIVIDE ENTRE HOME OFFICE, VISITAS AOS CLIENTES E REUNIÕES SEMANAIS EM UM HUB DE INOVAÇÃO

Em 2021, a MindSelf participou do Acelera LHH, da consultoria de recursos humanos de origem suíça que batiza o programa. Nas mentorias, os sócios tiveram a ideia de criar um conselho consultivo, com outros executivos experientes do mercado. 

O apreço por boas conexões levou a MindSelf a se instalar no Learning Village, na Vila Mariana, em São Paulo. Criado pela HSM e Singularity University, o espaço é hub de inovação e tecnologia em educação e desenvolvimento de pessoas. 

A equipe de 11 funcionários, incluindo uma psicóloga especializada, costuma se reunir no hub semanalmente. No restante do tempo, o trabalho é home office ou nos escritórios dos clientes. 

E quais são os desafios e vantagens de empreender aos 50, Alexandre?

“Quando se é funcionário numa corporação, há muito mais recursos, inclusive para intraempreender, o que fiz nas empresas que passei. No mundo das startups, há inúmeros desafios, desde estruturais a manter uma boa equipe. Mas há muita troca com outros empreendedores, o que é formidável” 

As jornadas, ele diz, continuam intensas, mas há um equilíbrio. Seu ritual da manhã consiste em acordar às 6h, meditar entre cinco e dez minutos, repassar a lista de tarefas e focar em trabalhos voltados aos clientes. 

Após o almoço, mais uma sessão de meditação, e bora para o segundo tempo, quando se dedica a questões estratégicas da empresa. Após o expediente, costuma ir para a academia. Três vezes por semana, joga tênis. À noite, diversão com a família: é hora de ver série.

E alguma dica para quem deseja finalmente largar o crachá e empreender?

“Faça, mas se organize e planeje bastante. Não pode ser uma aventura. A cada conquista e impacto gerado na vida das pessoas, uma satisfação única te provará que fez uma boa escolha.”

403 Total Views 4 Views Today

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Mindself
  • O que faz: Programas de meditação e mindfulness para o mundo corporativo
  • Sócio(s): Alexandre Ayres e Wagner Lima
  • Funcionários: 11
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2019
  • Investimento inicial: R$ 150 mil
  • Faturamento: R$ 2 milhões (estimativa para 2022)
  • Contato: [email protected]
COMPARTILHE

Confira Também: