“Num país onde 50% da população convive com a dor e a doença crônica, a cannabis não é mais o futuro, já é o tratamento do presente”

Viviane Sedola - 9 nov 2022
Viviane Sedola, Head de Educação da Cannect.
Viviane Sedola - 9 nov 2022
COMPARTILHE

O ano era 2014 e o professor Elisaldo Carlini, pesquisador pioneiro de cannabis na epilepsia, fazia um discurso no Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo), que foi endossado por um vídeo, feito pela Apepi (Apoio à Pesquisa e Pacientes de Cannabis Medicinal), de crianças com crises convulsivas controladas por meio do uso do óleo de cannabis .

Carlini tinha concluído em 1980 um estudo com oito crianças epiléticas, no qual três apresentaram melhora parcial com o uso do óleo e quatro tiveram uma melhora total das crises convulsivas no período observado. Um resultado considerado de grande sucesso

Nos dias que seguiram à apresentação do professor, o presidente do Cremesp publicou uma Resolução para deixar os médicos confortáveis em prescrever o óleo de cannabis para os casos citados por Carlini, e uma sensação de alívio recaiu sobre os pacientes.

MESMO COM A LIBERAÇÃO DA PRESCRIÇÃO, NÃO HAVIA PRODUÇÃO NO BRASIL DE MEDICAMENTOS À BASE DE CANNABIS

O CFM (Conselho Federal de Medicina) publicou, no mesmo ano, uma resolução restringindo a prescrição do óleo de cannabis a apenas três especialidades médicas.

O que, até então, parecia um movimento de vanguarda dos conselhos de medicina acabou se provando um limitador sem efeitos práticos reais por dois grandes motivos.

Primeiro, não havia registro de medicamentos à base de cannabis no Brasil. Por mais que o CFM liberasse a prescrição, não havia o que prescrever

Segundo, após forte pressão de famílias de crianças com síndromes raras e epilepsia refratária, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou em 2015 uma resolução que permitiu a importação excepcional de produtos à base de cannabis, visto que não havia medicamentos no país.

Essa resolução já foi atualizada duas vezes pela agência, que nunca limitou a prescrição de canabinoides a nenhuma patologia ou especialidade médica.

Os desafios no acesso a produtos à base de cannabis sempre foram muitos, mas passos importantes também foram dados.

A Anvisa foi além e, em 2019, aprovou mais uma resolução, permitindo a emissão de uma autorização sanitária para que produtos cheguem às drogarias do país e o acesso seja mais ágil.

Leia também: O futuro da cannabis medicinal no Brasil é uma incógnita. Conheça as empresas que resolveram “comprar” essa briga

É IMPORTANTE TRAZER LUZ SOBRE O TEMA E DESMISTIFICAR O ASSUNTO PARA QUE A CANNABIS MEDICINAL PARE DE SER ASSOCIADA A ALGO ILEGAL

O uso da cannabis como ferramenta terapêutica é um caminho sem volta. Hoje, já são mais de 150 mil pacientes ansiosos, epiléticos, com alguma demência ou dores, crianças atípicas e muitas outras patologias que se beneficiam dos efeitos da cannabis.

Quem não apoia, certamente desconhece os mais de 12 mil artigos científicos publicados a respeito da planta. O desafio agora é levar esse conhecimento com base científica para o maior número possível de pessoas

Uma oportunidade para se informar sobre o tema é participar dos dois congressos online e gratuitos que acontecem nos dias 17 e 18 de novembro,  que trarão uma série de palestras com nomes importantes do setor para informar e desmistificar o uso medicinal da cannabis.

Em um país onde cerca de 50% da população convive com alguma dor ou doença crônica, a cannabis não mais o futuro, já é o tratamento do presente.

Viviane Sedola é Head de Educação na Cannect, o maior ecossistema de cannabis medicinal do Brasil, ao qual a Dr. Cannabis, fundada por Sedola, foi incorporada em 2022. Atua no mercado de cannabis desde 2018 e foi nomeada pela revista HighTimes no evento Female 50, em 2019, como uma das 50 mulheres mais influentes do mercado de cannabis no mundo.

639 Total Views 2 Views Today
COMPARTILHE

Confira Também: