APRESENTA
APRESENTA

“O contingente de pessoas com deficiência capacitadas para o mercado de trabalho preenche a lei de cotas em 3 vezes”

Cláudia de Castro Lima - 13 maio 2022 Cláudia de Castro Lima - 13 maio 2022
COMPARTILHE

No Brasil há 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência. Mesmo com esse grande número de pessoas, as empresas afirmam ter dificuldade de contratar o percentual mínimo, exigido pela lei de cotas de 1991.

“Em decorrência do preconceito, a gente escuta alguns argumentos que parecem baseados em dados reais, mas não são”, afirma Ivone Santana, diretora-presidente do Instituto Modo Parités e secretária-executiva da REIS (Rede Empresarial de Inclusão Social), movimento que completa agora 10 anos.

“Os principais argumentos que nós ouvimos são: não tem pessoas com deficiência suficientes para preencher a lei de cotas. Ou: as pessoas com deficiência não estão preparadas para assumir as responsabilidades no ambiente corporativo”, ela continua.

Segundo Ivone, nada disso é verdade. “As pessoas com deficiência que são formadas, que são capacitadas, inclusive com ensino superior, poderia preencher a lei de cotas de todas as empresas do Brasil em três vezes.”

Sócio da Egalitê Inclusão & Diversidade, plataforma com milhares de vagas exclusivas para pessoas com deficiência em grandes empresas do Brasil, Djalma Scartezini explica que a barreira principal para isso é o chamado “preconceito atitudinal”.

O termo, conta Djalma, é usado pelo consultor de inclusão social e autor de vários livros sobre o tema Romeu Kazumi Sassaki. “Esse preconceito é uma indisposição para conexão”, conta ele.

“Eu me indisponho a me conectar com o que é diferente. Incluir é entrar em relação com as pessoas. É verdadeiramente se interessar por aquele indivíduo e, de fato, ter uma escuta para procurar entender e depois valorizar suas diversas competências, muito além da deficiência, que é uma característica que não deve limitar o ser humano.”

Ivone e Djalma são os entrevistados do mais novo episódio do podcast Inovação em Pauta, capitaneado por Luiz Serafim, head de Comunicação e Marca da 3M do Brasil e também membro da Rede Empresarial de Inclusão Social.

Neste bate-papo importante, eles falam sobre preconceito e discriminação (que são coisas diferentes), como essas atitudes afetam a inclusão nas empresas (e como as empresas só perdem com isso), os desafios e conquistas da REIS e possíveis soluções.

Ouça agora mesmo o episódio abaixo no Spotify. Ou, se preferir, escute no Apple Podcasts ou Google Podcasts. Para outras plataformas, acesse a nossa página no Anchor.

350 Total Views 1 Views Today
APRESENTA
COMPARTILHE
APRESENTA

Confira Também: