Que tal montar seu negócio numa base de papelão? A Eu Amo Papelão é única por fazer exatamente isso

Maitê Vallejos - 22 jan 2016 Thiago Cestari da Costa trabalhava no setor de embalagens antes de começar a empreender na Eu Amo Papelão.
Thiago Cestari da Costa começou a empreender na Eu Amo Papelão trabalhando no setor de embalagens.
COMPARTILHE

O papelão é um daqueles itens que está tão presente em nossa rotina e nos produtos que consumimos que geralmente nem notamos sua presença. Ele fica por ali, como mero figurante. No caso da empresa Eu Amo Papelão, a história é bem diferente. Eles produzem móveis e brinquedos apenas com papelão. Ali, ele é o protagonista, a estrutura na qual se sustentam tanto o valor comercial como afetivo do negócio.

Para contar esta história, é preciso voltar 14 anos no tempo, quando Thiago Cestari da Costa, hoje com 36, começava sua carreira profissional como representante comercial, na área de embalagens. Ele trabalhava (e ainda trabalha) no ramo voltado para a engenharia e especificidade técnica do material e, desde a graduação em Administração até o MBA em Gestão Empresarial, fez seus trabalhos de conclusão de curso com o objetivo de estudar o mercado de papelão de outros lugares. Comparava, principalmente, o Brasil a países como Itália, Espanha, Portugal e Estados Unidos.

Destas pesquisas, surgiu a primeira inquietação: ele queria fazer algo diferente, alguma coisa que pudesse atingir mais pessoas e que tivesse mais de sua personalidade presente. “Por que não criar móveis de papelão? Brinquedos de papelão?” Pensou em várias hipóteses de utilização do papelão, mas o momento de inspiração para o início do negócio acabou chegando de duas maneiras diferentes.

A Casinha (reais) pertence à linha de brinquedos grandes da Eu Amo Papelão (foto: Jonathan Partos).

A Casinha custa 189,90 reais e pertence à linha de Brinquedos Grandes da Eu Amo Papelão (foto: Jonathan Partos).

A primeira veio com o filho Renato, de 8 anos. “Compramos uma mesinha branca para o nosso filho e na primeira vez que ele usou para pintar uma folha, acabou riscando a mesa. Nos demos conta que era isso mesmo, que a mesa era dele e um momento próprio de aprendizado e diversão”, conta a administradora Simone Buksztejn Menda, 36, esposa de Thiago e também sócia da Eu Amo Papelão. A pergunta que ficou foi: e se a gente criasse uma mesa de papelão para que ele se sinta ainda mais livre para riscar?

Antes da empresa nascer, Thiago foi convidado para fazer um estande infantil, todo em papelão, para a rede Bourbon, do RS. Não teve mais volta.

Antes da empresa nascer, Thiago foi convidado para fazer um stand infantil, todo em papelão, num shopping: foi a chave para empreender.

A segunda inspiração foi o impulso que faltava para começar. Em agosto de 2013, Thiago foi atender um cliente grande, o Grupo Zaffari, que durante a reunião apontou uma nova demanda: queriam fazer uma campanha de Dia das Crianças toda de papelão — da mobília aos brinquedos — nos shoppings da rede Bourbon, em Porto Alegre. “Vamos fazer”, comprometeu-se. Em uma semana, apresentaram o protótipo de toda a ação e assim nasceu a Campanha Papeludos. Os stands foram um sucesso e o feedback dos recreacionistas não poderia ser melhor. “Durante algum tempo as crianças que estavam ali, desligavam-se do mundo, criavam seus brinquedos e depois podiam levar para casa”, conta.

QUANDO A EXPERIÊNCIA É MAIS IMPORTANTE QUE O PRODUTO

A princípio, a ideia do negócio era focar na comercialização de móveis, mas o projeto Papeludos mostrou que os brinquedos também eram uma ótima opção de produto. Thiago e Simone decidiram, então, apostar as suas fichas acreditando que a ideia daria certo. E assim, com investimento próprio (eles não revelam o valor), utilizando suas economias pessoais, eles abriram oficialmente a Eu Amo Papelão, em outubro de 2013, logo após a conclusão do projeto com o Zaffari. Desde então, a empresa desenvolve, produz e comercializa móveis e brinquedos de papelão, além de incentivar projetos sociais com o material.

Organizados nas áreas de desenvolvimento de produto, atendimento, marketing e comercial, eles terceirizam apenas a parte de produção do papelão e de logística de entregas. Na prática eles compram a matéria-prima de fornecedores e criam, testam e produzem os novos produtos. Depois disso, realizam as vendas através do e-commerce, das 50 lojas revendedoras (de Sul à Nordeste do Brasil) e também fazem a venda direta, no caso de projetos especiais.

 

Thiago e Simone, casados e pais do Renato, são os sócios da Eu Amo Papelão.

Thiago e Simone, casados e pais do Renato e da Roberta, são os sócios-fundadores da Eu Amo Papelão.

No momento, a empresa organiza sua linha de produtos em três frentes principais. Uma delas é a “Brinquedos Grandes”, com objetos projetados em tamanho real para incentivar a interação da criança com o brinquedo. Entre eles há a Casinha (189,90 reais), Castelo (169,90 reais), Foguete (189,90 reais) e outros.

Outra linha, mais acessível, é a “Destaque, Pinte e Monte”, formada por cartelas de papelão com motivos diversos para estimular as habilidades manuais da criançada. Nesta linha estão a cartela Fazendinha (24,90 reais), a cartela Aviões (14,90 reais), e a Cofre Gato (8,90 reais), entre outras.

Por fim, há a linha de “Projetos Especiais”, em que a empresa vende produtos personalizados, geralmente para grandes empresas. A Eu Amo Papelão já fez projetos em parceria com marcas como Malwee, Coca-Cola, Bibi Calçados, Grupo RBS e o próprio Grupo Zaffari. Um labirinto de papelão, montado para a Feira do Livro de Porto Alegre, é outro um exemplo de projeto especial realizado pela empresa.

Eles ainda contam com a produção de móveis de papelão e a participação em alguns projetos sociais, como na parceria com a AACD de Porto Alegre.

Simone, que hoje atua como Diretora de Marketing da empresa, conta que eles preferem não se posicionar como um negócio que vende brinquedos:

“A gente vende uma atividade, um momento, um espaço para as crianças brincarem de verdade, criarem histórias, imaginarem que realmente estão dentro de um foguete”

O casal, no entanto, diz não ser contra a tecnologia, mas afirma que é preciso ter cuidado com a exposição exagerada aos aparelhos eletrônicos: “A gente entende que as crianças não precisam ficar conectadas o tempo todo nos celulares e iPads. Se conseguirmos tirar as crianças, e os pais, meia hora por dia da frente de alguma tela para pintar, desenhar e construir algo, já vale muito a pena”.

QUAL É O VALOR DO PAPELÃO?

Quando se trata de sustentabilidade, conceito tão presente na nova economia, a Eu Amo Papelão chega ao público com uma imagem de negócio sustentável por si. Além do material ser 100% reciclável, há também um cuidado na cadeia produtiva da empresa, como a utilização de uma tinta atóxica para impressão direta no papel, excluindo a necessidade de adesivagem. Thiago considera que hoje existe uma necessidade das empresas “afirmarem” que são sustentáveis, pois é “muito difícil ser de verdade”, e complementa: “Nossa vantagem é que o mercado enxerga claramente quem somos, porque essa pegada lúdica e sustentável faz parte do nosso DNA”.

O banco infantil da Eu Amo Papelão suporta até 100 quilos (foto: Jonathan Partos).

Graças à engenharia do material, o banco infantil (com a carinha, 43,90 reais) e o banco adulto (sem encosto, 27,90 reais) da Eu Amo Papelão suportam até 100 quilos sem ceder (foto: Jonathan Partos).

Apesar da vantagem de ter um produto que desde seu conceito é visto como sustentável, isso também pode ser um desafio de negócio, pois é mais difícil convencer os clientes mais ressabiados do valor dos produtos vendidos. Afinal, é só um pedaço de papelão… “Existe um público que entende quem somos e o valor agregado do que fazemos, mas também existe o preconceito em relação ao papelão, que pode ser considerado lixo. Por isso, para algumas pessoas os produtos são aparentemente caros”, conta Simone.

Thiago, por sua vez, afirma que o tipo de material que a empresa trabalha não é o mesmo papelão das caixas de supermercado, por exemplo. “Há uma engenharia por trás do papelão que utilizamos. Ele é composto de uma capa externa e interna, miolo e alta gramatura (mais grosso). É um produto de alto investimento, super resistente e com maior durabilidade”, diz. Para se ter uma noção, a cadeira infantil comercializada por eles suporta até 100 quilos.

VISÃO DE CRESCIMENTO E PREOCUPAÇÃO EM MANTER A ESSÊNCIA

Em retrospectiva, nesses menos de três anos de existência, os sócios consideram o negócio um sucesso. O ano de 2013 foi o marco inicial, como incubadora; 2014 foi o ano de testar produtos e aproveitar as oportunidades que surgiram; e 2015 foi o momento de maior crescimento e consolidação. A empresa, que começou a operar em uma pequena sala, no fim do ano passado se mudou para um lugar maior e aumentou seu faturamento cerca de quatros vezes, se comparado ao ano anterior.

No momento, a Eu Amo Papelão conta, além dos dois sócios, com cinco funcionários e se intitula a empresa mais completa no país no segmento de móveis e brinquedos de papelão. “Não começamos do zero, existe toda uma história de trabalho com o papelão. Acredito que o que nos torna diferente no mercado é o fato de conseguirmos viabilizar qualquer tipo de operação para os clientes com a expertise que temos”, diz Thiago. Ele completa:

“Para empreender, você precisa saber qual é o seu norte, mas ao mesmo tempo estar flexível para fazer os ajustes necessários ao longo do caminho, entendendo do que o mercado precisa”

Este ano, eles pretendem focar no crescimento da rede de clientes e também do portfólio. “Acho que a gente demorou um pouquinho para entender a importância do atendimento comercial, pensando em quem seria o melhor perfil para vender os produtos. Existem muitas empresas, escolas, iniciativas a serem atendidas ainda”, afirma Thiago.

A maior inspiração para o casal são os filhos Renato, 8, e Roberta, 5, pois eles dão várias ideias e fazem o negócio acontecer na prática. “É muito mais fácil vender algo que a gente acredita. Vivenciamos isso com os nossos filhos e prezamos pela qualidade do tempo que passamos juntos”, conta Simome. Os dois enfatizam, também, que a grande motivação para continuar a fabricar peças de fantasia é ter a possibilidade de criar momentos que fiquem marcados para sempre na vida das crianças: “A gente acredita que um mundo melhor é simples e não está apenas no que é material. É essa a nossa essência”. Mais papelão, por favor.

873 Total Views 7 Views Today

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Eu Amo Papelão
  • O que faz: Desenvolve, produz e comercializa móveis, brinquedos e projetos sociais em papelão
  • Sócio(s): Thiago Cestari da Costa e Simone Buksztejn Menda
  • Funcionários: 5 (incluindo os sócios)
  • Sede: Porto Alegre
  • Início das atividades: outubro de 2013
  • Investimento inicial: NI
  • Faturamento: NI
  • Contato: (51) 3338-3191, (51) 3381-8193 e [email protected]
COMPARTILHE

Confira Também: