Sua empresa precisa de ajuda para desatar nós e crescer? A Boomit oferece mentorias personalizadas para cada negócio

Leonardo Maran Neiva - 5 jan 2021
Carolina Augusta, CEO da Boomit (foto: divulgação).
Leonardo Maran Neiva - 5 jan 2021
COMPARTILHE

Empreender é uma travessia penosa, cheia de riscos e incertezas. Para se manter à tona em um mercado competitivo, é preciso entender de marketing, vendas, gestão…

“Todo empreendedor busca melhorar sempre”, diz Carolina Augusta, 34, CEO da Boomit. “Só que ele tem duas possibilidades: ou vai sozinho, batendo a cabeça na parede, ou corta caminho para acelerar esse crescimento.” 

Fundada em 2015, a Boomit oferece um serviço de mentoria contínua, do diagnóstico dos problemas do negócio até o treinamento das equipes e o acompanhamento da implementação de melhorias. 

“Cursos e livros são ótimos, mas não te ajudam a implementar uma solução. E consultorias entregam uma ‘resposta pronta’… Já a mentoria é um processo de troca, em que o empreendedor pode receber e implementar o conhecimento” 

A Boomit mobiliza uma rede de mentores que ajudam a destravar os gargalos dos clientes — micro, pequenas e médias empresas. “Nosso propósito é tornar essas empresas imparáveis, para que nada consiga segurar seus objetivos.”

A SACADA DE QUE MENTORIAS ERAM POUCO ACESSÍVEIS INSPIROU O NEGÓCIO

Quando começou o curso de Relações Internacionais no Ibmec, em 2007, Carolina já desejava empreender. Na faculdade, sentiu falta de informações para alavancar esse desejo. “Pouca gente falava sobre isso na escola ou nos espaços universitários.”

O contato com o tema veio por meio da Enactus, ONG global que promove o empreendedorismo social entre universitários (a rede reúne 72 mil estudantes de 37 países). Ela chegou a ser uma das diretoras da organização, fomentando projetos para desenvolver empreendedores em comunidades carentes do Rio de Janeiro.

Carolina em evento TEDx (clique na foto para assistir à palestra).

Após a faculdade, Carolina passou seis anos na Ambev, chegando a gerente de gente e gestão. Juntou grana, investiu em startups e chegou a lançar um negócio próprio, com o pai. “Nessa experiência, vi o que era não ter apoio suficiente na hora de empreender”, diz.

Ela entendeu também que mentoria ainda era um recurso pouco acessível, sobretudo para micro e pequenas empresas. Inspirada por essa sacada, Carolina deu a partida na Boomit, em 2015, investindo 100 mil reais de economias próprias para montar um escritório nos Jardins, em São Paulo.

As mentorias eram focadas, no começo, em cada empreendedor, que depois transmitiam os conhecimentos às suas equipes. A partir de 2017, ela desenvolveu o modelo atual, englobando na mentoria as principais áreas da empresa.

MENOS É MAIS: A BOOMIT HOJE FILTRA CLIENTES PARA ACERTAR NA MENTORIA

Em 2017, a Boomit foi acelerada pela ACE. Segundo a CEO, além de ampliar o acesso a investidores, a aceleração ajudou a definir o foco do negócio e promover mudanças. Uma delas, implementada naquele ano, foi estabelecer uma pré-avaliação dos clientes.

Hoje, a Boomit atende menos empresas do que poderia: a taxa de aprovação é de aproximadamente 30%. Segundo Carolina, esse filtro garante uma aplicação mais eficiente da mentoria, permitindo que a empresa cobre mais pelo serviço.

“No passado, abríamos [a mentoria] para todo mundo… Mas víamos que alguns não se encaixavam, e isso era desgastante”

O empreendedor interessado preenche um formulário detalhando os desafios e objetivos da sua empresa. Depois, um representante da Boomit entra em contato para levantar mais informações e entender melhor as necessidades do negócio. 

A seleção em si consiste em uma entrevista com um especialista em comportamento empreendedor. Se o cliente for aprovado, um mentor é incumbido de desenvolver a jornada de mentoria, acionando especialistas nas áreas que demandam maior atenção. 

Caso o plano não agrade, diz Carolina, a Boomit se responsabiliza por refazê-lo — ou indicar outro especialista para lidar com o desafio.

ASSIM COMO AS EMPRESAS, OS MENTORES PASSAM POR UMA PRÉ-SELEÇÃO

A Boomit trabalha com dois tipos de mentores. 

O mentor de performance atua como um conselheiro geral de gestão, acompanhando o desempenho da empresa-cliente sob uma perspectiva holística. Os mentores especialistas enfocam setores específicos, como marketing, vendas ou finanças. 

Não somos simplesmente uma plataforma que conecta uma ponta à outra, o mentor ao empreendedor. Oferecemos um método de mentoria online para empreendedores, totalmente desenvolvido por nós”

Hoje, a startup tem 150 mentores em seu cadastro, 50 deles ativos. Todos são terceirizados e acompanham o cálculo de horas trabalhadas por meio da mesma plataforma que usam para gerenciar a mentoria de cada cliente. 

A seleção para fazer parte desse banco de mentores inclui análise de currículo, prova de conhecimento, entrevista e a simulação final de um processo de mentoria. Um dos pré-requisitos é já ter empreendido; os mentores aprovados recebem um treinamento de entrada, além de outro contínuo e quinzenal. 

REAVALIAÇÕES CONTÍNUAS AJUDAM A MONITORAR O SUCESSO DA MENTORIA

A Boomit oferece às empresas-clientes planos que incluem de quatro a 20 encontros mensais com mentores, sempre online.

Logo no início, os empreendedores recebem uma avaliação feita pelo mentor de performance, que identifica os principais gargalos e desenvolve (em parceria com o cliente) um projeto para superá-los.

Os mentores especialistas são designados para ajudar a aprimorar o funcionamento de cada área da empresa. O acerto (ou não) das mudanças é monitorado o tempo todo:

“Fazemos diagnósticos da empresa constantemente, porque ela é um organismo vivo… Não posso pegar uma avaliação de seis meses atrás e seguir com ela, porque aqueles desafios [com frequência] já foram resolvidos”

Não há contratos a longo prazo: os clientes ficam livres para interromper o serviço a qualquer momento. A maioria, diz Carolina, permanece por mais de um ano com a Boomit. 

Entre as 200 empresas que já passaram pela mentoria, a CEO cita a Eco IT, de segurança da informação, a Dallago Construtora, a Blumare Pro (de tratamento capilar) e a SmartHint, de sistema de busca para compras online.

A SAÍDA DA SÓCIA E O DESAFIO DE NÃO TER COM QUEM DIVIDIR RESPONSABILIDADES

Desde 2017, a empreendedora contava com uma sócia, que ajudou no desenvolvimento do produto como ele existe hoje. “Ela tinha um propósito muito parecido com o meu, e acabamos nos juntando”, diz Carolina.

Em setembro de 2019, a sociedade foi desfeita. Segundo a empreendedora, pesaram diferenças de mentalidade quanto ao modelo de liderança e ao funcionamento da empresa. 

A separação, segundo a CEO, se deu de forma suave:

“Tudo foi feito com muito cuidado pelas duas partes. Hoje me considero uma empreendedora solo e, por enquanto, me sinto confortável nesse lugar. Ainda tenho um relacionamento super legal com minha ex-sócia, mas no começo foi duro, porque não tinha mais com quem dividir as responsabilidades…”

Carolina conta que teve de tranquilizar investidores (ao longo dos anos, a Boomit recebeu 700 mil reais em aportes de investidores como Brazil Venture Capital), garantindo a continuidade do serviço, além de reaprender a pilotar o negócio sozinha.

COM A COVID-19, A BOOMIT PRECISOU SE APERTAR PARA RETER OS CLIENTES

Quando tudo começava a entrar nos eixos, veio um novo desafio, na forma da avalanche epidemiológica que assolou o mundo.

Com a Covid-19, Carolina e os nove funcionários fixos da Boomit trocaram o escritório pelo home office.

Além disso, a pandemia exigiu ajustes na estratégia de negócio. O maior deles foi mudar o foco da atração para a retenção de clientes — da noite para o dia, alguns deles tinham visto seu faturamento praticamente zerar. 

Aplicamos na veia o nosso método. Não adiantava pegar aquele plano feito havia alguns meses e executar como se nada tivesse acontecido, porque as empresas estavam todas desesperadas”

O caminho foi oferecer flexibilidade nos pagamentos, dando um mês gratuito para empresas que já eram clientes (e deixando de cobrar por um período ainda maior daquelas que viram o fluxo de caixa secar de vez).

Os planos mensais, que custavam a partir de 957 reais na modalidade mais básica, foram reajustados. Durante a pandemia, a Boomit criou um plano mais econômico, a partir de 600 reais por mês. 

A ESTRATÉGIA DEU CERTO: A STARTUP VEM CRESCENDO NA PANDEMIA

Nos primeiros dois meses de pandemia, quase não houve saída de clientes, diz Carolina. 

Com o agravamento da crise, 30% deles chegaram a ir embora. Em seguida, porém, os números voltaram a crescer, mostrando o acerto da estratégia. 

“Se formos pegar o resultado do ano como um todo, crescemos 150% em comparação com 2019, apesar de ser um ano de pandemia. Então foi bastante positivo, considerando as circunstâncias”

Para 2021, afirma a empreendedora, o plano é expandir a atuação dentro da fatia de pequenos e médios empreendedores e criar novos produtos ligados à mentoria que sejam escaláveis e com preço inicial mais baixo.

“Queremos ser lembrados como uma empresa que revolucionou o empreendedorismo no Brasil, que gerou impacto real…”, diz Carolina. “Espero que quem passou pela Boomit diga que ajudamos a mudar a empresa, a aumentar o faturamento e montar um time de alta performance.”

 

3436 Total Views 4 Views Today

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Boomit
  • O que faz: Projetos de mentoria online contínua e personalizada para micro, pequenas e médias empresas
  • Sócio(s): Carolina Augusta
  • Funcionários: 9
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2015
  • Investimento inicial: R$ 100 mil
  • Faturamento: NI
  • Contato: [email protected]
COMPARTILHE

Confira Também: