Draft ano 2 – O Instituto Chão ainda vende orgânicos sem taxa de lucro, mas falta tempo para a política…

Breno Castro Alves - 9 set 2016 Sucesso há mais de um ano, o preço baixo segue bancando a "utopia" do Instituto Chão — mas falta tempo para a política.
Sucesso há mais de um ano, o preço baixo segue bancando a "utopia" do Instituto Chão — mas falta tempo para a política.
COMPARTILHE

Fui visitar o Instituto Chão pela primeira vez em julho de 2015, quando contavam com apenas 17 dias de operação. Pessoal com sorriso de orelha a orelha, botando em prática seu experimento sócio-ecônomico, um mercado que abriria mão do lucro para vender pelo preço do produtor orgânico. Mais do que isso, abriria mão dos custos da casa para baixar seu preço. Para se sustentar, dependeriam exclusivamente de doações, um crowdfund permanente aplicado na boca do caixa. Surpreendentemente, deu certo. O Chão é, hoje, um projeto político que alcançou sucesso comercial: nos últimos 12 meses, faturou 4,7 milhões de reais e recebeu 1,4 milhão em contribuições.

O Chão é uma feira e mercearia de orgânicos que abre de terça à sábado, das 8h30 às 14h e o trabalho segue duro. Faz parte do acordo acordar cedo, descarregar caminhão, repor prateleiras e geladeiras — eles vendem batata, sorvete, limão, palmito, castanhas, patê, farinha, queijo, cerveja, frango, pão e outros 1 200 produtos —, lidar com público, vender, explicar o modelo sem fins lucrativos, cuidar de fornecedores e, no meio disso, arranjar tempo para seguir construindo seu modelo alternativo ao que chamam de capitalismo predatório.

O Instituto Chão saiu no Draft em julho de 2015 e foi uma das reportagens mais lidas no ano (clique na imagem para ler).

O Instituto Chão saiu no Draft em julho de 2015 e foi uma das reportagens mais lidas no ano (clique na imagem para ler).

Cheguei por lá no final de uma terça-feira. Terças, quartas e sábados são mais intensos, o expediente foi puxado, começou às 6h30 da manhã e seguiu depois que as portas se fecharam. Quem vem falar comigo é Vladimir Paternostro, o Vlad, engenheiro ambiental de 31 anos que acabou de fechar o caixa e agora anda de um lado para o outro enquanto orça uma prateleira nova para o estoque.

Sentamos à mesa perto das 16h. Hoje ele teve insônia, dormiu quatro horas, acordou e saiu correndo, sem tempo para banho ou café. Chegou mais cedo para substituir um companheiro na função da feira, organizar os vegetais, triar, repor. O Chão vende 1,5 tonelada de feira por dia, além de outra tonelada de produtos de mercearia. E esta foi a primeira feira da semana. “Uma cerveja?”, ofereço, ele diz “Não. Quer dizer. Eu não estou bebendo. Mas hoje eu mereço uma”.

“Sabe cara, a gente debateu se ia topar dar essa entrevista. Não estamos conseguindo mais lidar com os picos de demanda que as matérias causam”, diz, ponderando ainda que, quanto mais superficial o jornalismo, maior será o trabalho para explicar seu modelo aos novos públicos. “Mesmo com um texto mais completo, a galera ainda chega com dificuldade. Quando é mal explicado então, haja saliva na semana seguinte”, conta, e completa fazendo o repórter corar: “Na verdade, quando precisamos explicar para alguém, mandamos o texto de vocês”.

Convido Vlad a reler a reportagem. Ele o faz e segue falando junto, apontando as transformações que o projeto passou de lá para cá. Também faz um ou outro reparo na construção do texto, “Hm, aqui seria melhor ter escrito assim, ou assado”, diz, enquanto leva embora sem pudor algum a vaidade que deixou comigo no parágrafo anterior.

IDEIAS QUE NÃO DERAM CERTO, APRENDIZADOS QUE CHEGARAM

A principal alteração foi no modelo de apoio, que no início do projeto dava a possibilidade de haver apoiadores mensalistas. Há quem, até hoje, chegue perguntando sobre essa possibilidade. Mas os sócios descontinuaram o plano pela confusão que causava: então esses 60 reais por mês eu retiro em produtos? Não, isso é justamente o que fica para a manutenção do projeto. Se eu já apoio com 60 reais por mês, não preciso pagar os 30% em cima do produto? Isso depende da consciência e possibilidade de cada um, mas havia quem fizesse compra de 2 000 reais num mês e no caixa justificava: mas eu sou mensalista, já contribuo. Logo descontinuaram essa possibilidade de apoio.

Feira completa no Chão: o ativismo ainda consiste em carregar caixas todos os dias.

Feira completa no Chão: o ativismo passa por carregar caixas todos os dias.

De forma mais geral, eles aprenderam a organizar melhor o espaço. E é necessário, porque a feira enche. Empiricamente, entenderam que precisam de três pontos de tomate, pelo menos, ou as pessoas se estapeiam. Alugaram a casa do outro lado da rua para fazer o estoque e racionalizaram pontos para reposição da feira. Setor dos legumes, das frutas, das hortaliças. Hoje possuem 10 geladeiras em exposição e mais seis de estoque, números que eram respectivamente quatro e dois.

No processo, também aprenderam a dividir melhor de funções. Ainda não é definitivo, mas hoje estão muito mais claras as demandas do espaço, quem faz o que e como. Começaram com seis, hoje são treze pessoas tocando o seguinte barco: dois ficam na balança, três quando está muito cheio, mais dois ou três no caixa, um ou dois no café, dois para a reposição de feira e dois para a reposição da mercearia, mais um de volante, para cobrir o que precisar, e um para o trabalho administrativo (que acontece cada vez menos durante o horário de funcionamento da feira).

“E já demos o segundo passo, que é fazer rodar essas funções. Tem dois dias por semana que eu não piso no caixa, chego cedo, começo a montar a feira, faço balança. Isso é ótimo, estamos conseguindo ser uma equipe mais forte”, conta. Do grupo de fundadores, apenas Vitor Mortara saiu do Chão, amigavelmente, pois foi morar em Portugal. Hoje, fazem parte do grupo (e não são sócios) Thiago Guardia, Fabio Mendes, Vladimir Paternostro, Agatha Fernandes, Carolina Morelli, Luiz Schreiner, Ana Luisa Paternostro, Aron Eduardo, Sara Mortara, Rafael Versolato, Juliana Braz e Daniela Bastos.

ATIVISMO COMO BASE DO NEGÓCIO

Eles estão afinados, todos compartilham uma motivação política por trás do trabalho. Gostariam que o sucesso da empreitada acontecesse mais pelo estímulo aos produtores, pelo caráter social, do que pelo preço. Mas não tem jeito. Os produtos vendidos ali são mais baratos, pois o modelo é mais eficiente (e não tem a taxa de lucro da casa). Mesmo com a contribuição sugerida de 30% além do custo do produtor, comprar ali sai mais barato. Geralmente. Não sempre. Vlad fala a respeito:

“Se você está aqui porque é barato, não está no lugar certo. Te queremos aqui para fomentar uma economia diferente”

Hoje, o Instituto Chão conta com cerca de 100 fornecedores, sendo que cada um deles traz produtos de algo como 10 fazendas, ou 15 cooperativas. Não possuem o número exato, mas estimam comprar produtos de mais de mil famílias.

Com o tempo, o Instituto Chão passou a assumir mais sua face política e a se posicionar quanto a temas sensíveis.

Com o tempo, o Instituto Chão passou a assumir mais sua face política e a se posicionar quanto a temas sensíveis.

Neste ponto, chega à nossa conversa Fabio Mendes, 31 anos, filósofo, administrador e feirante, “hoje em dia mais feirante”, que está no Chão desde o começo. Se aproxima e contribuiu com propriedade, da mesma forma que fez em minha visita anterior. “A feira vende 1,5t/dia, deve dar mais uma tonelada de merceria, ou um pouco mais. Tudo isso nos bracinhos da molecada”, diz. Sobra muito pouco tempo para pensar e propor política. Mas, pondera, o envolvimento braçal é necessário, pois não dá para algumas fazerem o trabalho pesado e outras o intelectual.

“A intenção do projeto sempre passou por carregar caixas. Mas não dá para sermos escravos da balança, pesar 600 compras todos os dias e só. Precisamos, agora, encontrar formas de respirar e pensar melhor”, diz.

Com o tempo, o Instituto Chão passou a assumir mais a sua face política e a se posicionar quanto a temas sensíveis. Eles fazem isso, por exemplo, apoiando projetos que lutam por direitos humanos (com a exposição de cartazes de campanhas deste tipo no espaço).

Fábio conta que um dos medos que tinham no início do projeto — o de ser engolido pela operação — se realizou. Mas, prossegue ele, esta foi uma escolha consciente: “Bancamos trabalhar tanto para ver o projeto de pé”. Em seguida, dá a real de se fazer algo desse tipo:

“Não dá para falar que a economia solidária é uma maravilha. O Chão dá certo porque há uma demanda crescente por orgânicos e porque nosso preço é mais baixo, ponto”

Agora, seu desafio é encontrar uma forma de funcionar que abra espaço para mais atividades, como comunicação e o aprofundamento do projeto político. Sistematizar erros e acertos de uma forma positiva, para que outros possam seguir seu exemplo. Eles já receberam diversos chamados para dar consultorias, algo que não conseguem atender, simplesmente por estarem afogados na operação.

Mas a vontade segue viva. Eis o desafio atual do Chão, se desprender de uma rotina lucrativa, cada vez mais exigente, para externalizar seu modelo disruptivo. Vlad provoca: “O modelo funciona, já sabemos, queremos que a galera vá lá, abra uma loja de material de construção em formato colaborativo, uma de roupa, sei lá, quanto mais diversificado melhor. Elimina intermediários, abre os custos, abre mão do lucro. Bota uma margem boa, se quiser, mas abre mão do lucro. Vive bem do seu trabalho. Se isso der certo, podemos ter uma fatia cada vez maior da economia que funciona sem exploração. Pense a respeito”.

Eu estou, desde que encerrei a entrevista. Agora, enquanto escrevo esta conclusão, só consigo pensar se devo mexer nas horas que gasto com esse tal jornalismo ou na minha previdência para investir logo na segunda unidade do Instituto Chão.

938 Total Views 2 Views Today
COMPARTILHE

Confira Também: