Inserir dados no prontuário consumia 33% do turno da enfermeira. Aí a Carenet decidiu automatizar o processo

Marina Audi - 19 nov 2019
O suíço Immo Oliver Paul, CEO da Carenet, está no Brasil há dez anos e já fundou duas empresas no país.
COMPARTILHE

Natural de Zurique, formado em Economia pela Universidade St. Gallen, Immo Oliver Paul, 50, vive na América Latina há 25 anos, os últimos dez no Brasil. Fala tão bem o português que, ao discorrer sobre a Lei de Proteção de Dados (LGPD), chega a ensinar à repórter como se conjuga o verbo anonimizar — tornar anônimo. E, de quebra, descreve o futuro palpável das novas tecnologias médicas:

“A telemedicina – a grande moda do momento, mas sobre a qual se fala apenas das imagens e do diálogo do médico com o paciente – terá de incluir os dados vitais do paciente, senão o médico não poderá fazer o seu trabalho”

Immo é o fundador e CEO da Carenet, healthtech que fornece acesso a dados de monitoramento gerados por pacientes, dentro e fora do ambiente clínico-hospitalar, usando smartphones, wearables (tecnologia vestível) e dispositivos médicos.

A plataforma de IoMT (Internet das Coisas Médicas) desenvolvida pela startup é usada em projetos customizados para clientes como Roche, Hapvida e AxisMed — e, mesmo sendo referência de mercado, não é mais o carro-chefe da empresa.

O PLANO INICIAL ERA FUNDIR TECNOLOGIA E ALIMENTOS FUNCIONAIS

Em 2009, Immo era executivo da fabricante de cimento Holcim. Alocado na Colômbia, recebeu proposta de transferência para a Rússia, mas recusou e decidiu ser sócio de um amigo na Smart Life, uma empresa de alimentos funcionais, aqui no Brasil. “Quando cheguei, não havia fundos de VC, aceleradoras de startups… Era ainda a forma antiga de se usar o próprio dinheiro, construir um produto e começar a vender”.

Sua paixão era a tecnologia. Em 2012, Immo visitou a CES – Consumer Electronics Show em Las Vegas, e voltou cheio de ideias — e com 20 wearables para testar. O plano era usá-los para mapear o estilo de vida das pessoas e recomendar produtos da Smart Life sob medida. Misturar os dois mundos, porém, se mostrou complexo:

“No fim, foquei na parte de tecnologia, peguei R$ 80 mil do bolso e fundei a Carenet. Queria vender produtos de automonitoramento para aumentar a expectativa de vida das pessoas”

Ele montou um e-commerce de pulseiras de monitoramento importadas da China e integradas a um aplicativo, o Longevity, desenvolvido aqui.

“Nosso app permitia documentar a alimentação, monitorar a atividade física, calorias queimadas, degraus subidos, sono leve e profundo… Começamos grandes demais, e surgimos cedo demais. E isso foi parte do problema.”

PRIMEIRO PROJETO: CRIAR UMA PLATAFORMA DE IOT PARA A NETSHOES

Em alusão ao gráfico Gartner Hype Cycle, o CEO posiciona a Carenet de 2014 no começo da fase “Technology Trigger” [gatilho tecnológico], quando as expectativas são altas. “Todo mundo nos adorava e nos convidava a falar sobre IoT. Mas é muito difícil ganhar dinheiro nessa fase. Não conseguíamos investidores e nem clientes”.

Após vender 500 pulseiras por R$ 200, cada (o app vinha integrado de graça), a Carenet atraiu a atenção da Netshoes. Em agosto de 2014, a startup foi contratada para criar uma plataforma de IoT para uso em seis aparelhos que havia importado da China – balança de bioimpedância, pulseira, fita, sensor para sapato etc.

“Aceitamos esse grande projeto e aumentamos o time de três para 20 pessoas. E quase quebramos — porque a Netshoes nos pagava, mas não tanto quanto a gente precisava”

Para entregar o projeto, foi preciso receber dois investimentos-anjo, de R$ 300 mil. Entre 2015 e 2017, a Carenet atendeu a Netshoes na captação e atendimento de 40 mil usuários. A barreira econômica de entrada dos wearables no mercado brasileiro, porém, ainda era grande demais.

MIGRAR PARA A ÁREA DE SAÚDE PERMITIU INCORPORAR MAIS CLIENTES

Nesse meio tempo, em 2015, a Carenet foi selecionada para uma aceleração da Wayra. Para Immo, foi como um segundo MBA, com foco em startups. A empresa seguia com a estratégia de integrar a plataforma de IoT a qualquer wearable que chegasse ao mercado brasileiro — e seguia prospectando a todo vapor, para escapar da armadilha de depender de um cliente só (Netshoes).

Aos poucos, migraram para a área de saúde, que já tinha equipamentos modernos instalados e despertava então para o uso dos wearables. A Carenet começou a tocar projetos de monitoramento remoto para planos de saúde e hospitais.

“Ganhávamos dinheiro, mas foi desgastante e não-sustentável. A cada mês eu tinha de vender um projeto novo. Tínhamos funcionários muito fiéis e foi pesado para eles, porque nunca sabiam onde trabalhariam no mês seguinte”

Desgaste à parte, a fase foi crucial para acumular conhecimento (a entrada de um diretor médico, Moacyr Campos, amparou a atuação na área de saúde) e consolidar uma reputação.

COM UM APORTE DA INSEED, A STARTUP PIVOTOU

Em 2018, a INSEED contatou a Carenet por meio do Inovabra habitat, onde a startup tem duas posições. “Eles gostaram da nossa capacidade de monitorar pessoas dentro e fora do ambiente clínico hospitalar.” A conversa avançou e, em fevereiro de 2019, a Carenet recebeu metade do aporte de R$ 4 milhões do fundo Criatec 3 (a outra metade virá em 2020).

Daí a startup pivotou: até então voltado à venda de projetos, o modelo agora é criar produtos de prateleira. Os cinco meses de abril a agosto deste ano foram dedicados ao desenvolvimento (por conta disso, o faturamento em 2019 deve ficar em metade do total de 2018, que foi de R$ 1 milhão).

As mudanças ocorreram em paralelo à formação (em outubro de 2018) de uma joint venture entre a Carenet e a consultoria Everis para comercializar a solução Morpheus, elaborada em conjunto entre 2017 e 2018 para uma grande empresa de bebidas.

“Criamos uma solução de monitoramento de sonolência de motoristas de caminhão. Colocamos dentro de um boné um eletroencefalograma que monitora ondas cerebrais e transmite os dados para o celular do gestor”

Segundo Immo, foi um caso de projeto customizado que virou produto. A Carenet cuida da tecnologia e a Everis se encarrega do comercial (por ora, o Morpheus é vendido na Espanha).

COMO AUTOMATIZAR A TRANSMISSÃO DE DADOS PARA O PRONTUÁRIO

Em maio, após desenhar a estratégia com a INSEED, a Carenet lançou o seu grande produto: o Orchestra, um software que integra sistemas de gestão de prontuários eletrônicos e equipamentos médicos como o monitor multiparamétrico (que colhe dados como atividade respiratória, batimentos cardíacos, saturação de oxigênio, pressão arterial e temperatura) e o ventilador pulmonar.

Simplificando: o Orchestra automatiza a transmissão dos dados monitorados para o prontuário — e permite a visualização em tempo real, com acesso mobile.

Antes, no Brasil, os dados vitais de pacientes colhidos em Unidade de Terapia Intensiva só chegavam ao prontuário depois que a enfermagem anotava e inseria — manualmente — no sistema. Além do risco de erros, esse processo consumia 33% do turno de uma enfermeira.

Esse cenário motivou o desenvolvimento do Orchestra junto com o Hospital Santa Catarina, em São Paulo, que Immo chama carinhosamente de “nosso laboratório” — muitas das funcionalidades do produto foram criadas por demanda dele, durante um piloto para monitorar 20 leitos de UTI, entre maio e julho deste ano.

Após o piloto, a Associação Congregação de Santa Catarina expandiu o uso para 250 leitos de UTI que mantém em São Paulo, Rio e mais três cidades fluminenses (Petrópolis, Teresópolis e Três Rios). Além disso, encomendou a integração nos centros cirúrgicos, emergência, enfermaria (quartos) e ambulâncias.

A SOLUÇÃO GERA DASHBOARDS E DISPARA ALERTAS SOBRE SINAIS VITAIS

Os equipamentos médicos no país, quase todos importados, fornecem uma enxurrada de informações, minuto a minuto. Por outro lado, os sistemas de prontuário (desenvolvidos por players nacionais) suportam apenas uma quantidade limitada de dados, segundo Immo. Sem a intermediação do Orchestra, diz, a transmissão provocaria uma pane no sistema.

“Um monitor multiparamétrico gera 10 GB por minuto de dados vitais de um único paciente. Do outro lado, o sistema do hospital está preparado para receber dados resumidos, a cada 30 ou 60 minutos, a depender do protocolo da instituição”

A solução da Carenet puxa os dados dos equipamentos (já foram integrados modelos de 20 fabricantes); filtra informações para facilitar a visualização por meio de dashboards (projetados em telas na sala de enfermagem ou acessados por tablets e smartphones); dispara alertas sobre os sinais vitais do paciente; e permite determinar quais dados devem ser enviados ao prontuário, e com que frequência.

A solução é pioneira na América Latina. Immo cita indicadores norte-americanos de redução de 30% de mortalidade e 20% do tempo de estadia na UTI em situações análogas, com uso de ferramentas que poupam o tempo das enfermeiras e permitem que médicos acompanhem pacientes a distância.

A PLATAFORMA SERÁ USADA NUMA SIMULAÇÃO DE GUERRA DO EXÉRCITO

O Orchestra é comercializado como um SaaS modular com cobrança de set up (R$ 5 mil por cada integração de software, mais R$ 5 mil por integração de hardware) e fee mensal de R$ 20 por leito monitorado/dia. “Dizemos que nosso software custa tanto quanto uma bolsa de soro adicional para o paciente!”

Em agosto, a Carenet foi bater na porta dos gigantes do setor. A estratégia foi terceirizar o comercial, oferecendo aos vendedores um finder’s fee fixo (para definir, mais adiante, percentagens sobre os valores recorrentes, em caso de venda). Por ora, a empresa está em negociação com a Rede D’Or.

“Acredito muito em TeleUTI. É uma tendência ainda tímida, mas grandes redes de hospitais tenderão a manter uma central, com seis ou sete médicos e 50 algoritmos rodando para monitorar todas as UTIs, em hospitais distintos, sem a necessidade de ter especialistas locais”

Immo crê que essa onda irá acelerar o crescimento da Carenet. A expectativa é faturar R$ 2 milhões em 2020 só com o Orchestra. O software, aliás, será usado — a partir de amanhã e até o dia 29 — na Operação Agulhas Negras, uma simulação de guerra anual do Exército brasileiro que engajará 4 mil soldados.

“Iremos realizar a primeira operação de TeleUTI do Exército utilizando a plataforma Orchestra”, diz Fernando Paiva, VP de Customer Success & Digital Sales Transformation. “Integramos os monitores multiparamétricos que estarão no hospital de campana para que os médicos do HMASP de São Paulo possam avaliar os pacientes a distância com a acurácia dos sinais vitais monitorados pela plataforma.”

769 Total Views 3 Views Today

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Carenet
  • O que faz: Provê tecnologias móveis em saúde, incluindo integração de dados de monitoramento de pacientes a sistemas de gerenciamento de prontuários.
  • Sócio(s): Immo Oliver Paul, Everis, INSEED, Wayra e mais sete investidores-anjo
  • Funcionários: 15 fixos (mais freelancers para projetos customizados)
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2013
  • Investimento inicial: R$ 80 mil
  • Faturamento: R$ 1 milhão (2018)
  • Contato: [email protected]
COMPARTILHE

Confira Também: