O poder da microdoação: o Arredondar já mobilizou quase 1 milhão de doadores de centavos — que contam

Tania Menai - 16 nov 2015 Ari Weinfeld e Nina Velentini, à frente da iniciativa. Em quatro anos, quase 1 milhão de pessoas arredondaram o valor de suas compras para que os centavos fossem doados às ONGs cadastradas.
Ari Weinfeld e Nina Valentini, à frente do Arredondar. Em quatro anos, quase 1 milhão de pessoas arredondaram o valor de suas compras para que os centavos fossem doados às ONGs cadastradas.
COMPARTILHE

Esqueça aquela balinha que você está cansado de receber como troco. Imagine se a cada compra que você fizer, em vez dela, você arredondar para cima 10, 20 ou até 90 centavos na hora de passar o cartão. Continue imaginando que a soma de centavos arredondados por milhares de compras por dia, fosse revertida em doações para ONGs brasileiras comprovadamente eficientes. Imagine agora o impacto social que isso teria no país. Imaginou? Isso já existe, chama-se micro-doação, e é seriamente feita pelo Movimento Arredondar.

Liderado hoje pelo economista Ari Weinfeld, 56, e por Nina Valentini, 28, formada em administração pública, o projeto foi criado em 2011 e é resultado de um trabalho feito a oito mãos por profissionais de diferentes áreas, ávidos por ajudar a sociedade de uma forma sustentável: além de Ari, Adolfo Bobrow, Fábio Kaufmann e Ricardo Glass (os três últimos, hoje no conselho da empresa). Cada um dos quatro contribuiu com 25% do investimento inicial, de 50 mil reais, para tirar a ideia do papel.

Desde abril de 2011, quando o projeto começou a rodar, 16 ONGs já foram beneficiadas por meio de quase um milhão de microdoações — que resultaram em 187 mil reais arrecadados. A idéia é simples, explicada num divertido vídeo narrado pela atriz Regina Casé. As cadeia de lojas das Meias Puket foi a cobaia para a implementação do sistema – hoje, o Arrendondar agrega parceiros de peso no mundo de calçados e moda como Crocs, Timberland, Track & Field, Meggashop, Luigi Bertolli, Off Fashion, Lilica Tigor, Carinhoso, Cori, Emme e Scene, além cadeias de alimentação como Spoletto, Koni, e Mercatto. Ari fala sobre a organização, que não tem fins lucrativos:

“A cultura de doação no Brasil ainda é muito pouco difundida. O brasileiro quer doar, mas tem medo e não sabe como”

Ele prossegue, e diz que “por isso criamos um método seguro, fácil e transparente para que essas pessoas possam começar a doar para organizações que estão transformando vidas e realidades”. O Movimento Arredondar tem dois pilares, o primeiro são os parceiros: as lojas, supermercados, restaurantes. São eles que, na hora da compra, vão convidar o cliente a arredondar o valor da compra para doar os centavos a mais. Se uma camiseta custa 18, 20 reais, o cliente paga 19 reais e esses 80 centavos de diferença vão para o Movimento Arredondar. De lá, são repassados para o segundo pilar: ONGs rigorosamente selecionadas, que trabalham pelos 8 Objetivos do Milênio, estabelecidos pela ONU.

NO CAMINHO, BARREIRAS CULTURAIS E BUROCRÁTICAS

“Os varejistas envolvidos conosco querem ter certeza de que não vão se comprometer com ONGs que podem estar na capa de um jornal no dia seguinte por algum esquema ilícito”, diz Fábio Kaufmann, 41, gestor financeiro e administrador de empresas. Pensando na transparência das ONGs, o Arredondar criou um edital online. Assim que foi ao ar, mais de 500 organizações responderam. A ideia não é sustentar integralmente essas iniciativas: o investimento em cada organização vai até 10% do total das despesas operacionais do ano anterior, limitado a 150 mil reais por ano.

“Nossa comissão analisou cada um delas meticulosamente, utilizando nossos critérios: além de seguir os objetivos do milênio, elas não podem ser bancadas por família de peso, não podem ter vínculos políticos nem religiosos, nem ter algum passado sujo”, afirma. “Neste começo de operação, focamos em ONGs no eixo Rio-São Paulo, pela proximidade”, diz. A seleção ainda teve consultoria de Marcos Flávio Azzi. Especialista no assunto, ele esta à frente do Instituto Azzi, que conecta famílias que querem doar com trabalhos nas áreas de terceiro setor que elas escolhem.

O site do Arredondar tem uma prestação de contas transparente e indica quais instituições receberam quanto dinheiro do projeto.

O site do Arredondar tem uma prestação de contas transparente e indica quais instituições receberam quanto dinheiro do projeto.

Ari conta que o Arredondar teve uma série de desafios no dia a dia da operação, por ser uma iniciativa inédita no Brasil, uma organização sem fins lucrativos que oferece os serviços de forma gratuita, sem custo para as redes varejistas. “Nesses quatro anos de operação esbarramos principalmente nas barreiras tecnológicas. O objetivo era fazer com que o sistema das lojas pudesse emitir o comprovante de doação no ato da compra, com qualquer meio de pagamento, além de passar essa informação em tempo real para o nosso sistema, garantindo total transparência para todos os envolvidos”, conta.

A tributação também foi um ponto a ser resolvido. “Criamos um sistema confiável, no qual o cliente passa o cartão apenas uma vez,” complementa Fábio. O treinamento do pessoal do caixa de cada estabelecimento participante é essencial para ensinar o comprador sobre a opção da doação. Assim que a compra é efetuada, os centavos arredondados entram para o faturamento da empresa, que repassa o recurso para a conta do Arredondar. De lá, 90% do dinheiro é repassado para as instituições e 10% são usados na manutenção do projeto.

UM SISTEMA EM QUE CADA CENTAVO CONTA

O impacto destas microdoações coletivas já é realidade. “O Arredondar está conseguindo implementar um antigo sonho: a contribuição financeira de uma maneira simples, transparente e acessível”, diz Andréa Peçanha, coordenadora de Desenvolvimento Institucional do IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, uma das ONGs beneficiadas. “Podemos contar com um recurso adicional muito necessário para a sustentabilidade da organização. O valor que recebemos é utilizado para questões institucionais, fundamentais para a continuidade do nosso trabalho na área socioambiental”, afirma.

Fábio Kaufmann, fundador e conselheiro do Arredondar: “Doação é uma prática que pode fazer parte de todas as classes sociais, não apenas a elite”.

Fábio Kaufmann, fundador e conselheiro do Arredondar: “Doação é uma prática que pode fazer parte de todas as classes sociais, não apenas a elite”.

Uma pesquisa interna apontou que, na hora de efetuar a compra, 58% dos clientes aceitam arredondar. Nina Valentini, do Arredondar, comenta: “Essa ótima adesão das pessoas reforça que o brasileiro precisa ter acesso à canais de doação mais fáceis e transparentes, para que ele possa se sentir mais motivado a fazer a sua contribuição para uma sociedade civil mais organizada, mais justa e menos desigual”. Fábio Kaufmann, fundador e conselheiro do Arredondar, complementa: “Doação é uma prática que pode fazer parte de todas as classes sociais, não apenas a elite”.

Nina conta que uma vendedora de uma rede que arredonda quis conhecer pessoalmente o trabalho de três organizações que apoiadas. “Hoje, ela é uma super embaixadora do Arredondar na sua rede, motivando colegas para aumentar o arredondamento para as organizações. Se uma pequena porcentagem dessas pessoas, ao ouvir falar sobre essas organizações, se interessar pelos trabalhos e entrar no site como fez essa vendedora para saber mais, já teremos conectado e engajado mais pessoas – e, conseqüentemente, aumentando o impacto do trabalho que elas estão desenvolvendo”, diz.

“O maior benefício que trouxemos para as organizações sociais apoiadas pelo Arredondar, além dos recursos arrecadados, é a visibilidade – algo novo para elas. Estamos com quase um milhão de microdoações realizadas por milhares de pessoas que muitas vezes não têm contato nenhum com qualquer tipo de projeto social, além das pessoas que trabalham nas redes varejistas, que doam o seu tempo ao fazer a pergunta e também são sensibilizados por esses projetos”, conta Nina. “Nosso próximo desafio é agregar mais redes varejistas arredondando e para isso precisamos de mais engajamento nessa causa, que é de todos.”

1104 Total Views 3 Views Today

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Movimento Arredondar
  • O que faz: Promove e distribui microdoações para ONGs
  • Sócio(s): não há. Ari Weinfeld e Nina Velentini são os administradores
  • Funcionários: 5 (incluindo os administradores) e mais 4 voluntários
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2011
  • Investimento inicial: R$ 50.000
  • Faturamento: não há. A organização já distribuiu R$ 187.000
  • Contato: (11) 2533-6857
COMPARTILHE

Confira Também: