APRESENTA
APRESENTA

Como resolver um problema da sua empresa em 90 dias, com um programa de inovação plug and play? Conheça a Rocket Results

Cláudia de Castro Lima - 18 set 2020
Spin-off da Innoscience, consultoria com quase 15 anos de experiência em inovação corporativa dos sócios Maximiliano Carlomagno, Felipe Ost Scherer e Marco Perocco (da esq. para a dir.), a Rocket Results levar projetos de inovação a clientes que hoje não podem pagar por eles
Cláudia de Castro Lima - 18 set 2020
COMPARTILHE

Com 29 anos de mercado e localizada em Chapecó, a catarinense Azeplast nasceu de uma premissa sustentável e inovadora: fabricar, com materiais reciclados, filmes flexíveis para sacos de lixo e embalagens. Há quase três décadas, no entanto, a Azeplast vende seus produtos de forma tradicional. E identificou aí um risco – e uma oportunidade: um canal de vendas digital ajudaria a incrementar os resultados.

Era preciso inovar, não havia dúvida. Mas como fazer isso? Como encontrar a melhor solução do mercado? Afinal, os programas de inovação, que conectam companhias a startups, costumam demandar recursos financeiros e de tempo que empresas de médio porte, como a Azeplast, muitas vezes não têm para investir.

Sorte da companhia chapecoense que seu diretor executivo, Djalma Azevedo, decidiu pensar diferente. Atrás da resolver sua dor, ele optou por uma, chamemos assim, “versão pocket” de um programa de inovação.

Oferecida pela Rocket Results, um spin-off da consultoria Innoscience, que se posiciona como “Innovation as a service”, ela promete a solução de um problema específico, para qualquer empresa de qualquer ramo, em até 90 dias – e por um custo que cabe no orçamento.

“O processo todo foi simples e rápido”, conta Djalma. “Na primeira reunião, entenderam o meu problema. Na segunda, me apresentaram possíveis soluções. Juntos, selecionamos duas com muita aderência ao meu desafio de negócios.” No terceiro encontro, diz o executivo, as propostas de trabalho e comerciais de duas startups foram apresentadas a ele. Hoje, depois do piloto desenvolvido, Djalma contratou a solução e está começando a operar com a Mercos, a startup escolhida para ajudar a Azeplast a resolver o seu desafio de negócios.

250 projetos desenvolvidos em 15 anos de inovação corporativa

Trabalhando com consultoria de inovação para grandes empresas há quase 15 anos, a Innoscience é um projeto do administrador Maximiliano Carlomagno e do engenheiro Felipe Ost Scherer. Max vinha de uma carreira em instituição financeira e consultoria de estratégia e de uma experiência frustrada em uma fintech – cujo erro provável foi ter sido concebida muito à frente do tempo (estamos falando do ano 2000). Felipe tinha passagens em empresas como Gerdau e Ipiranga, e entendia bem as dificuldades (e os atalhos) para inovar dentro de organizações complexas.

“Desde que começamos, a inovação pulou das páginas internas para a capa do jornal”, diz Max.

“Existe uma profusão de pessoas vendendo inovação. O conceito se disseminou, de modo às vezes pouco claro, e com mais espuma do que resultados concretos. Mas os empresários se abriram ao tema, houve uma sensibilização generalizada sobre o assunto, tanto que a posição de head de inovação está presente hoje em boa parte das grandes e médias empresas brasileiras.”

Max afirma que as três grandes crises econômicas pelas quais o país passou nesses últimos 15 anos – a de 2008, a do governo Dilma e esta, do coronavírus – foram gatilhos que evidenciaram a importância do tema. E cita o bilionário investidor Warren Buffet: “Só quando a maré está baixa você descobre quem está nadando nu”.

Nesse tempo também, não por acaso, o Brasil assistiu ao desenvolvimento de seu ecossistema de startups. “A sofisticação do empreendedorismo no Brasil acelerou a abertura das grandes companhias à cocriação com empresas menores e mais ágeis. A discussão sobre inovação aberta, que originalmente tratava da relação entre empresa e universidade, foi muito alargada com a entrada dos empreendedores nesse jogo”, diz. Os fundadores de startups não só falavam melhor a linguagem do empresário como também tinham um alinhamento maior de interesses. “Entre donos de empresa, todo mundo quer fazer negócio e gerar resultados de modo rápido e sustentável, porque os dois lados da mesa estão tomando algum tipo de risco.”

Uma solução de inovação estilo plugue-e-use

Na rica fauna do empreendedorismo brasileiro, habitada por mais de 12 mil startups, abriu-se nos últimos ano a temporada de caça das grandes empresas pelo parceiro perfeito. Com complexidades para inovar internamente, por causa do seu tamanho ou da sua dificuldade em mudar, as companhias passaram a criar programas de inovação aberta para atrair empreendedores. As empresas brasileiras têm aprendido que trazer de fora soluções que resolvam seus problemas de negócio pode muitas vezes ser o jeito mais eficiente de inovar.

“O foco de todo inovador é ajudar as grandes empresas a fazerem melhor aquilo que elas já fazem, ou ajudá-las a aprenderem a fazer algo que elas ainda não sabem”, afirma o estrategista de inovação Marco Perocco, que há cinco anos se tornou sócio da Innoscience.

Ele chegou com um currículo de quase sete anos como consultor da Accenture, além do trabalho como inovador corporativo na Coca-Cola.

Se muitas das grandes empresas brasileiras já desenvolvem seus programas e projetos de inovação, isso ainda não é verdade para a maioria das empresas de médio porte. Embora elas tenham desafios de negócios importantes, que poderiam ser resolvidos em parceria com startups, também têm a sensação de que inovar custa muito caro, dá muito trabalho, é difícil de gerir e os resultados demoram a aparecer.

A Rocket Results surge como uma resposta a essa contradição. Toda empresa precisa inovar. Essa é a premissa para qualquer negócio sobreviver – ainda mais em tempos como os que vivemos.

“As empresas de porte médio, que hoje se sentem excluídas do mundo da inovação, agora também podem ter um programa para chamar de seu”, diz Marco.

A Rocket Results já nasce experiente – ela traz em sua bagagem o aprendizado de mais de 250 pilotos criados pela Innoscience com mais de 30 grandes empresas como Coca-Cola, Nestlé, Danone, Klabin, Kimberly-Clark, Ocyan, Unimed, SLC Agrícola, Sicredi e Ingredion.

O método lean de inovação aberta, aplicado pela Rocket Results, vai direto ao ponto e resolve um problema de negócios de cada vez – em até 90 dias. A versão metodologia está alicerçada em quatro etapas. Ao final, a Rocket Results entrega o protótipo da solução para o desafio apresentado pela empresa, que será testado e avaliado para ir ao mercado.

O segredo do sucesso: um piloto bem executado

A Rocket Results, que tem como parceira a The Factory, empresa que publica o Projeto Draft, desenhou uma solução agile para resolver um problema específico, seja ele qual for, em áreas como vendas, logística, sustentabilidade, recursos humanos, financeiro, jurídico, tecnológico, de produção ou marketing.

Depois de entender o desafio, a Rocket Results busca no mercado os melhores parceiros para cocriarem a solução. Até cinco startups são selecionadas numa primeira fase e, após análise da empresa e da Rocket Results, três são escolhidas para um pitch day.

As duas finalistas seguem para um processo de imersão. Nele, as startups, o cliente e a Rocket Results mergulham no desafio de negócios e definem a apresentação de um projeto-piloto para que a solução seja testada. “Esse processo, baseado na metodologia de Framework de Aprendizagem de Pilotos, desenvolvida pela Innoscience e publicada na revista MIT Sloan Management Review Brasil, é fundamental na aceleração dos resultados”, afirma Max.

“O MVP, ou piloto mínimo viável, é a forma mais barata, simples e rápida de testar uma inovação. A prova de conceito de um protótipo torna a colaboração entre a empresa e a startup uma experiência segura e escalável.”

“O grande diferencial da Rocket Results é oferecer uma ferramenta de inovação de baixo custo capaz de atender a problemas de negócios nas mais variadas áreas, em empresas de qualquer indústria”, diz Marco. Segundo ele, o investimento no programa de inovação de 90 dias da Rocket Results custa em média 25% de um programa tradicional, realizado presencialmente nas grandes corporações.

Adaptada aos novos tempos, a Rocket Results lidera todo o projeto junto ao cliente de forma digital. “Além de não haver perda de qualidade em relação ao formato físico, o programa digital é mais ágil, mais barato e mais simples, porque não envolve deslocamentos, o que torna mais fácil conciliar as agendas dos envolvidos”, afirma Marco.

“Nosso objetivo com a Rocket Results é tornar os benefícios da inovação acessíveis ao maior número possível de empresas”, diz Max. “Queremos democratizar a inovação corporativa. Que as empresas de médio porte também possam fazer uso dessa fantástica ferramenta de solução de problemas. É para isso que existimos.”

Quer saber mais? Fale agora com a Rocket Results.

3304 Total Views 1 Views Today
APRESENTA
COMPARTILHE
APRESENTA

Confira Também: