APRESENTA

Marcas, artistas e influenciadores se unem no primeiro movimento brasileiro pela necessidade de desconexão

Ricardo Alexandre - 14 nov 2019
Com a estreia do portal Pause.Social, movimento quer atingir novos públicos: “Cada um ‘pause’ sua rotina do seu jeito.”
COMPARTILHE

No último dia 11, mais de 80 milhões de brasileiros usuários do Instagram encontraram seus canais favoritos suspensos. Os perfis oficiais de influenciadores como a jornalista Mariana Ferrão, do ator Rafael Vitti, da atriz Thaila Ayala, da blogueira fitness Gabriela Pugliesi, entre outros, estavam todos em “Pause”. A mensagem principal se explicava no post mais recente comum a todos eles: é possível sair do ritmo frenético da rotina, da hiperinformação e da atualização minuto-a-minuto. “PAUSE. Sinta, viva e desconecte para reconectar” em pílulas com sugestões espalhadas pelas redes sociais:

Algumas das pílulas com sugestões de desconexão publicadas no lançamento do Movimento Pause.

 

Nos dias seguintes, o movimento avançou, com os influenciadores compartilhando os frutos de suas 24 horas de desconexão. A atriz Letícia Spiller, por exemplo, usou o tempo para se “conectar à natureza” e praticar ioga. O lateral-esquerdo do Real Madrid Marcelo decidiu ficar “com a família, com os filhos e os cachorros”. O hipnólogo Pyong Lee ficou offline “para aproveitar o dia com minha esposa e meu filho que está chegando”. Sammy está grávida de seis meses

Finalmente, o ciclo inicial do Movimento Pause se completou com o lançamento oficial do portal Pause.Social e a missão de espalhar a ação para outros apoiadores, marcas e veículos. “Ninguém aqui quer negar os benefícios da tecnologia ou das redes sociais, até porque estamos usando delas para provocar essa reflexão”, diz Ilan Vasserman, co-fundador da Zissou, start up do sono líder do segmento de bed-in-a-box que idealizou a ação. “Mas o fato é que o excesso de informação confunde a nossa capacidade de priorizar o que é realmente importante na vida”, explica.

“E a proposta do Movimento Pause é incentivar as pessoas a criar seus momentos de reflexão para ajustar o foco, redefinir prioridades. Porque para alguns a vida é correr atrás do seu milhão, mas para outros a vida não é isso.”

De certo modo, o Pause é um aprofundamento do “Movimento do Sono” no qual a Zissou se engaja desde sua fundação, em 2016, e que defende a qualidade com que dormimos como a base de uma vida saudável e eficiente. Os dados comprovam: grandes empresas norte-americanas avaliam que jogam fora uma média de até 3.500 dólares por funcionário por causa de problemas relacionados ao sono ruim – como custos com internação e faltas ao trabalho. Há uma perda estimada total de 680 bilhões de dólares, ou 2% do PIB dos países OCDE. Ainda assim, o tempo dedicado ao sono vem caindo, ano após ano, segundo pesquisa da Rand Market. Há um século, apenas 2% da população dormia menos do que 6 horas. Hoje, 30% das pessoas tem sono deficitário.

“Não há contradição entre desconectar e ser produtivo”, ressalta Vasserman. “Muito pelo contrário. Há um impacto econômico enorme numa vida sem pausa, sem descanso, sem sono de qualidade. O que a gente a gente acredita é que qualidade de vida pode coexistir com tecnologia, com alto rendimento.” Essa mesma crença tem gerado um movimento de resistência à glamourização da exaustão que já rende base teórica em livros como Sociedade do Cansaço (de Byung-Chul-Han, da Editora Vozes), Revolução do Sono: Transforme sua vida uma noite de cada vez (de Arianne Huffington, Editora Matéria Prima) e Por que nós dormimos: A Nova Ciência do Sono e do Sonho (Matthew Walker, Intrínseca). Agora, o que o Movimento Pause pretende é tentar dar uma dimensão pop, brasileira e cotidiana ao assunto.

 

Lateral-esquerdo do Real Madrid, Marcelo aproveitou o movimento para ficar mais próximo da família.

O impulso definitivo para isso veio com a consolidação da parceria entre a Zissou e a rede de lojas Fast Shop, que começou como uma negociação para entrada de seu colchão, travesseiro e lençol na rede varejista e terminou com uma aliança estratégica de longo prazo com investimento em participação minoritária da start up. Para Vinicius Rodrigues, gerente de marketing da Fast Shop, a idealização do Movimento Pause reforça a missão da rede, de “cuidar dos clientes por toda a vida”:

“Cuidar ‘por toda a vida’ também significa cuidar em todos os momentos. A gente atua oferecendo soluções para que eles salvem tempo e dinheiro desde o momento em que acordam até quando estão dormindo”, diz.

“Mas ainda não havíamos, de fato, investido na qualidade de seu sono, e essa hora chegou. Esse investimento tem a ver com nossa crença, o equilíbrio entre a conexão e desconexão. Oferecemos produtos tecnológicos para atender à necessidade dos consumidores de estar 100% conectados durante o dia. E agora, também passamos a oferecer produtos ligados a desconexão, para que o consumidor recarregue as energias e tome fôlego para encarar um novo dia superconectado.”

Desde seu lançamento, em 14 de novembro, o centro do Movimento Pause passou a ser o portal Pause.Social. O site é estruturado de forma a oferecer sugestões de pequenas desconexões ao longo da “jornada do dia” do leitor, desde o despertar até a noite, em forma de conteúdos tão diversos quanto playlists com músicas relaxantes até vídeos com meditações diárias de Mariana Ferrão. “Quem quiser aderir ou compartilhar o movimento, seja o público ou mesmo outras empresas, está mais do que convidado”, diz Vasserman. “Não há uma superideologia por trás além desse exercício de autoconhecimento. A ideia toda é despertar essa conscientização, essa reflexão. Daí cada um ‘pause’ sua rotina do seu jeito.”

83 Total Views 12 Views Today
COMPARTILHE