O EloPag é um chat de conexão monetizada entre empresas e clientes

Dani Rosolen - 4 jun 2020
COMPARTILHE

Nome:
EloPag.

O que faz:
É um chat B2C que conecta pequenas e médias empresas a consumidores, pagando aos clientes por todas as conversas geradas dentro do sistema, que segue a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Que problema resolve:
Gera renda para os clientes  e permite que as marcas se conectem com seu público-alvo sem sem ser invasiva. Todas as mensagens que as empresas enviam para o cliente são monetizadas e os valores são creditados na conta Digital EloPag. Acumulando o valor de 25 reais, os consumidores poderão transferir para sua conta corrente pessoal.

O que a torna especial:
Segundo o fundador, a EloPag é pioneira na solução. “Criamos uma forma de se comunicar pré-paga em que quem coloca os créditos são as empresas que desejam ter a opinião desses consumidores.”

Modelo de negócio:
A plataforma funciona no modelo SaaS. A forma de monetização é o Pay-Per-Use. A empresa adquire o crédito que desejar e eles são transformando em mensagens diretas. A EloPag fica com 10% sobre todos os valores creditados na plataforma. O custo de cada mensagem enviada dentro do chat monetizado é de 6 centavos, sendo que 50% deste valor é creditado na conta Digital EloPag do usuário e outros 50% e ficam com a startup.

Janeiro de 2019.

Sócio:
Edgard Melo Fundador

Fundador:

Edgard Melo — 43 anos, São Paulo (SP) é pós-graduado em Administração de Empresas pela FGV. É fundador da Acordo Certo (plataforma de negociação de dívidas online) vendida em 2018 para os seus antigos sócios.

Como surgiu:
Edgard conta que ainda estava atuando na Acordo Certo, quando resolveu criar algo focado na comunicação e que de certa forma empoderasse os consumidores, mas desta vez não apenas ajudando a negociar dívidas e, sim, gerando renda.

Estágio atual:
A startup foi lançada em versão beta em 15 de maio de 2020 e está em fase de captação de clientes. Hoje são seis pessoas na equipe.

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
O fundador investiu 500 mil reais no negócio.

Necessidade de investimento:
“Após o lançamento e a aderência ao modelo, a captação de investimento será um dos próximos passos. Calculamos cerca de 5 milhões de reais para poder expandir o modelo para todo o país”, afirma Edgar.

Mercado e concorrentes:
“Acreditamos que agora mais que nunca haverá uma forte mudança no comportamento dos consumidores e das empresas devido à Covid 19. Estar conectada a seus clientes será uma obrigação, já os investidores terão um compromisso mais forte em encontrar empresas lucrativas e que de certa forma estejam fazendo este movimento de forma colaborativa.” Edgar diz que hoje não existem outros aplicativos que pagam pelas conversas geradas pelas conexão entre empresas e cliente. “Mas temos clientes de peso que atuam de forma similares tais como WhatsApp, Google Ads, Instagram Ads e Facebook Ads.”

Maiores desafios:
“Implantar um modelo novo sempre será uma tarefa difícil. Um outro ponto é que estamos focados na implementação da Lei Geral de Dados Pessoais e recentemente o presidente prorrogou para 2021 a lei que entraria em vigor agora em agosto de 2020.”

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
“Sem investimento externo, atingiremos o break-even em um ano.”

Visão de futuro:
“Queremos criar o WhatsApp brasileiro usando os nossos diferencias de chat monetizado e de big bata.”

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho, mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

660 Total Views 2 Views Today
COMPARTILHE

Confira Também: